Connect with us

Destaque HOME

A pedido do Água Preta News e inspirado em foto, Zarfeg dedica crônica à mãe e advogada Kerry Anne

mm

Publicado

em

MÃE, NOSSA RAINHA

Por Almir Zarfeg

Minha mãe, Victor, é minha rainha.

A minha também é rainha, Vinícius.

Então, vamos celebrar nossa rainha neste dia que poderia ser qualquer dia da semana, porque todo dia é dia dela, mas, por algum motivo especial, se comemora o Dia das Mães neste segundo domingo de maio.

Aliás, motivação é o que não falta para celebrarmos a nossa rainha. Tem o motivo K, de Kadu, o motivo T, de Tom, o motivo VV (em dose dupla) de Victor e Vinícius.

Na prática, somos os motivos que a inspiram na lida diária, que a motivam a lutar por suas ideias e ideais, que a estimulam a enfrentar os desafios de fato e de direito, multiplicando-se em mãe, mulher, cidadã e profissional liberal. E, especialmente, em rainha do lar…

Lar, lares!

A esse ponto, finalmente, esta conversa despretensiosa já pode se transformar num conto de fadas, em que o lar familiar (e, por consequência, os lares familiares) seja visto mais que espaço de convivência, mais que esfera privada, para se converter no espaço sagrado da com/vivência, da harmonia, da proteção e do cuidado, enfim, no espaço/tempo materno e paterno por excelência.

Torçamos (acreditemos nisso!) para que a nova mitologia doméstica, abstraída dos tempos imemoriais, tenha como protagonista nossa mãe (todas as mães), que não é outra coisa, senão divindade, rainha, mulher, genitora e refúgio.

Nessa perspectiva, que o espaço doméstico se converta – pelo querer e fazer – em lar doce lar, em santuário da paz, locus de amor, harmonia e fraternidade.

No nosso caso específico, motivos para isso não nos faltam: tem o motivo K, o motivo T, o motivo VV…

Sem contar as certezas em miniatura (mais que motivos) K, de Kerry, A, de Anne, E, de Esteves, W, de Wagner e B, de Borges…

Portanto, motivação é o que não falta para celebrarmos este Dia das Mães especial e seguirmos confiantes, seguros e abençoados.

Nós te amamos, nossa rainha, mãe e vida!

Destaque HOME

Para André Correia ser vereador “é o momento de separar homens de moleques’

mm

Publicado

em

O vereador André Correia (PHS) fez um alerta nas redes sociais aos pretensos candidatos a uma das nove vagas da Câmara de Itanhém, na próxima eleição municipal. Para ele a vereança é uma experiencia que desgasta.

“Desejo boa sorte aos pré-candidatos”, disse o vereador. “[Ser vereador] é uma experiência boa e um pouco desgastante, porém é o momento de separar homens de moleques, é a oportunidade de mostrar à comunidade se o candidato quer o bem de todos ou o conforto de sua família”, enfatizou.

André Correia, que doou todo o seu décimo terceiro salário e férias para associações da cidade foi além e chamou de ‘sanguessugas de prefeitura’ aqueles que se elegem comprando votos.

“O maior absurdo de nossa cidade é escutar, de alguns ‘sanguessugas de prefeitura’, que serão eleitos porque têm dinheiro pra gastar”, lamentou André. “O ato de votar por dinheiro o eleitor complica a vida de 20 mil habitantes e atrasa um município inteiro”, finalizou.

FOTO: arquivo.

Continuar leitura...

Destaque HOME

Bentivi é homenageado por internautas em seu aniversário

mm

Publicado

em

O ex-prefeito de Itanhém, Milton Ferreira Guimarães, o Bentivi (PSB), comemorou seus 50 anos neste domingo (17) em companhia de familiares e amigos. Prefeito por dois mandatos, de 2009 a 2016, o bancário é considerado um dos melhores gestores do município.

Nas redes sociais foram registrados o carinho e o reconhecimento da população com o ex-prefeito. Internautas publicaram imagens de obras construídas durante suas gestões e a música “Bem te vi”, de Renato Terra, para homenagear o político.

Relembre aqui o que disse Bentivi no último dia de seu mandato ao Água Preta News.

Veja as imagens de algumas obras do ex-prefeito que foram compartilhadas pelos internautas:

 

 

Continuar leitura...

Destaque HOME

Justiça não determinou, mediou acordo no caso em que prefeita e seu irmão acusam internautas

mm

Publicado

em

[Edelvânio Pinheiro] Quem nos acompanhou nessas duas décadas e meia de jornalismo sabe que sempre nos pautamos pelo princípio ético de respeito ao trabalho dos profissionais da imprensa e que muito evitamos comentar publicações de colegas jornalistas.

Situações, entretanto, não podem deixar de serem lembradas, como a recente publicação do desfecho de um termo circunstanciado de ocorrência, no qual a prefeita de Itanhém, Zulma Pinheiro (MDB) e seu irmão, Newton Pinheiro, figuram como autores de uma reclamação por supostos crimes contra a honra, que teriam sido praticados por dois internautas, que negam terem feito qualquer tipo de ofensa.

A publicação é categórica ao afirmar que a “Justiça determinou a retratação das agressões verbais sofridas pela prefeita na internet”.

Acontece que os crimes contra a honra, a calúnia, a difamação e a injúria são considerados de menor potencial ofensivo e, por esta razão, possuem pena prevista de até dois anos. Assim, esses casos são processados e julgados no Juizado Especial Criminal, que tem estrutura e procedimento próprios, determinados em lei. Importante ressaltar que esses juizados especiais prezam pela resolução pacífica dos conflitos, ou seja, sempre buscam a conciliação entre as partes. Caso não seja possível a realização de um acordo para resolver a situação que deu origem ao boletim de ocorrência na delegacia, aí sim, o processo segue até que o juiz profira, ou como preferiu a publicação em questão, determine uma sentença.

No caso deste termo circunstanciado, que gerou a partir do registro do boletim registrado pela prefeita e seu irmão, não houve nenhuma determinação judicial porque a conciliação foi perfeitamente aceita pelas duas partes. Caso uma delas não houvesse aceitasse o processo seguiria até que um juiz desse o veredicto.

Não é necessário ser operador do direito para entender que esse tipo de conflito é sempre bom ser resolvido da forma como fizeram a prefeita e seu irmão e os dois cidadãos envolvidos, afinal, processo penal, seja de qualquer tipo é desgastante para ambos os lados. Quando há a necessidade de interferência da Justiça será sempre uma medida extrema, que deve ser deixada para quando não houver acordo.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA