Connect with us

Destaque HOME

Aos 91 anos, morre ex-governador da Bahia Waldir Pires

mm

Publicado

em

O ex-governador e ex-vereador Waldir Pires, 91 anos, morreu na manhã desta sexta-feira (22) por volta das 10h no Hospital da Bahia, em Salvador. Ele deu entrada na noite de quinta-feira (21) na unidade hospitalar, na Pituba, com quadro de pneumonia. “O paciente teve parada cardiorrespiratória, não respondendo às manobras de reanimação e veio a óbito”, informou o hospital, em nota.

Natural de Acajutiba, na Bahia, Francisco Waldir Pires de Souza foi governador da Bahia entre 15 de março de 1987 e 14 de maio de 1989. Foi eleito deputado federal em dois períodos: de 1º de janeiro de 1990 até 1º de janeiro de 1994 e de 1º de janeiro de 1999 até 1º de janeiro de 2003.

Entre 31 de março de 2006 e  25 de junho de 2007 foi Ministro da Defesa. Seu último cargo público foi como vereador de Salvador entre 1º de fevereiro de 2013 até 31 de dezembro de 2016.

Biografia
Na quinta-feira (14), amigos, admiradores e familares se reuniram, no Palácio Rio Branco, para o lançamento do livro Waldir Pires –  Biografia  (vol.1), escrito pelo jornalista e escritor Emiliano José, amigo há quatro décadas de Waldir, que completaria 92 anos em outubro.

O livro refaz a trajetória do político, de 1926, quando Waldir nasceu, na localidade de Cajueiro – mais tarde Acajutiba, filho de José Pires de Sousa e de Lucíola Figueiredo Pires de Sousa, até o ano de 1978, quando ele retoma os seus direitos políticos após o fim do Ato Institucional nº 5 (AI-5).

O primeiro volume da biografia destaca a formação intelectual e acadêmica de Waldir, que viveu a infância e adolescência na cidade de Amargosa, onde estudou as primeiras séries. Fez o ginásio no Clemente Caldas, em Nazaré das Farinhas, e o Clássico, no Colégio Central, em Salvador.

Acadêmico
Além das funções políticas, Waldir foi coordenador dos Cursos Jurídicos da Universidade de Brasília (UnB), onde também ensinou Direito Constitucional. Em 1950, aos 24 anos, ocupou o cargo de secretário de Estado da Bahia durante o governo de Luís Régis Pacheco Pereira. No mesmo ano, casou-se com Yolanda Avena Pires, falecida em 2005. Foi eleito deputado estadual em 1954, e deputado federal em 1958, quando atuou como vice-líder do governo Juscelino Kubitschek.

No ano de 1963, foi escolhido pelo governo João Goulart para o cargo de consultor-geral da República. Em 1970, após seis anos no exílio, decidiu retornar ao Brasil. Ao retornar ao país, impedido de exercer atividade política, foi perseguido e teve dificuldades para se empregar novamente. Nesse período, dedicou-se ao trabalho à frente de uma pedreira. Até que em 1978, com o fim do AI-5, recupera os seus direitos políticos.

Dos anos de 1978 até o presente, a sequência da história, será contada no segundo volume do livro do jornalista – que está em fase de revisão e com previsão de ser lançado ainda neste ano. O foco será a carreira política, que inclui a eleição ao governo do Estado da Bahia, em 1986, e os novos mandatos como deputado federal nas eleições de 1990 e 1998. No governo de Luís Inácio Lula da Silva, exerceu o cargo de ministro de Estado do Controle e da Transparência da Controladoria-Geral da União, em 2003, e Ministro da Defesa, em 2006.

Luto oficial 
“A Bahia e o Brasil não perdem apenas um político. Waldir Pires era um exemplo de caráter e retidão, na vida pública e na vida privada. Dedicou boa parte de seus 91 anos à defesa da cidadania e à construção de um  Brasil melhor. Esse legado serve de herança e inspiração para todos nós. Com temperança e coragem, bem ao seu estilo, levaremos adiante seus ideias. Meus sentimentos, em especial à família e aos amigos, e que Deus nos conforte a todos”, afirmou o governador Rui Costa que decretou cinco dias de luto oficial no estado.

O prefeito ACM Neto lamentou o falecimento do ex-ministro e governador Waldir Pires, nesta sexta-feira (22).  “Estivemos em lados opostos, mas Waldir nos lega o exemplo de homem público que exerceu com serenidade  o seu papel na política. É um personagem de relevância que escreveu seu nome na história de nosso país. Meus sentimentos aos seus familiares e amigos”, afirmou. [Correio24h]

Destaque HOME

Para André Correia ser vereador “é o momento de separar homens de moleques’

mm

Publicado

em

O vereador André Correia (PHS) fez um alerta nas redes sociais aos pretensos candidatos a uma das nove vagas da Câmara de Itanhém, na próxima eleição municipal. Para ele a vereança é uma experiencia que desgasta.

“Desejo boa sorte aos pré-candidatos”, disse o vereador. “[Ser vereador] é uma experiência boa e um pouco desgastante, porém é o momento de separar homens de moleques, é a oportunidade de mostrar à comunidade se o candidato quer o bem de todos ou o conforto de sua família”, enfatizou.

André Correia, que doou todo o seu décimo terceiro salário e férias para associações da cidade foi além e chamou de ‘sanguessugas de prefeitura’ aqueles que se elegem comprando votos.

“O maior absurdo de nossa cidade é escutar, de alguns ‘sanguessugas de prefeitura’, que serão eleitos porque têm dinheiro pra gastar”, lamentou André. “O ato de votar por dinheiro o eleitor complica a vida de 20 mil habitantes e atrasa um município inteiro”, finalizou.

FOTO: arquivo.

Continuar leitura...

Destaque HOME

Bentivi é homenageado por internautas em seu aniversário

mm

Publicado

em

O ex-prefeito de Itanhém, Milton Ferreira Guimarães, o Bentivi (PSB), comemorou seus 50 anos neste domingo (17) em companhia de familiares e amigos. Prefeito por dois mandatos, de 2009 a 2016, o bancário é considerado um dos melhores gestores do município.

Nas redes sociais foram registrados o carinho e o reconhecimento da população com o ex-prefeito. Internautas publicaram imagens de obras construídas durante suas gestões e a música “Bem te vi”, de Renato Terra, para homenagear o político.

Relembre aqui o que disse Bentivi no último dia de seu mandato ao Água Preta News.

Veja as imagens de algumas obras do ex-prefeito que foram compartilhadas pelos internautas:

 

 

Continuar leitura...

Destaque HOME

Justiça não determinou, mediou acordo no caso em que prefeita e seu irmão acusam internautas

mm

Publicado

em

[Edelvânio Pinheiro] Quem nos acompanhou nessas duas décadas e meia de jornalismo sabe que sempre nos pautamos pelo princípio ético de respeito ao trabalho dos profissionais da imprensa e que muito evitamos comentar publicações de colegas jornalistas.

Situações, entretanto, não podem deixar de serem lembradas, como a recente publicação do desfecho de um termo circunstanciado de ocorrência, no qual a prefeita de Itanhém, Zulma Pinheiro (MDB) e seu irmão, Newton Pinheiro, figuram como autores de uma reclamação por supostos crimes contra a honra, que teriam sido praticados por dois internautas, que negam terem feito qualquer tipo de ofensa.

A publicação é categórica ao afirmar que a “Justiça determinou a retratação das agressões verbais sofridas pela prefeita na internet”.

Acontece que os crimes contra a honra, a calúnia, a difamação e a injúria são considerados de menor potencial ofensivo e, por esta razão, possuem pena prevista de até dois anos. Assim, esses casos são processados e julgados no Juizado Especial Criminal, que tem estrutura e procedimento próprios, determinados em lei. Importante ressaltar que esses juizados especiais prezam pela resolução pacífica dos conflitos, ou seja, sempre buscam a conciliação entre as partes. Caso não seja possível a realização de um acordo para resolver a situação que deu origem ao boletim de ocorrência na delegacia, aí sim, o processo segue até que o juiz profira, ou como preferiu a publicação em questão, determine uma sentença.

No caso deste termo circunstanciado, que gerou a partir do registro do boletim registrado pela prefeita e seu irmão, não houve nenhuma determinação judicial porque a conciliação foi perfeitamente aceita pelas duas partes. Caso uma delas não houvesse aceitasse o processo seguiria até que um juiz desse o veredicto.

Não é necessário ser operador do direito para entender que esse tipo de conflito é sempre bom ser resolvido da forma como fizeram a prefeita e seu irmão e os dois cidadãos envolvidos, afinal, processo penal, seja de qualquer tipo é desgastante para ambos os lados. Quando há a necessidade de interferência da Justiça será sempre uma medida extrema, que deve ser deixada para quando não houver acordo.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA