Connect with us

Destaque HOME

Escola de Itanhém barra aluno por quase duas semanas pela falta de uniforme

mm

Publicado

em

Depois de quase duas semanas fora da sala de aula porque não tinha camiseta do uniforme escolar, um adolescente de 13 anos, aluno do 8º ano – de acordo com a sua mãe – retornou às aulas nesta segunda-feira (3), na Escola Municipal José Alves de Sousa, em Vila São José, um bucólico lugarejo do município de Itanhém, localizado na estrada que dá acesso a Cruzeiro do Sul, distrito de Vereda.

Segundo a mãe do menor, Mirian Lobo, que é pedagoga e há 16 anos leciona nesta mesma unidade de ensino, a decisão de não aceitar o estudante sem o uniforme foi do diretor Marcos Correia Amorim, que há cerca de cinco anos está à frente da direção.

Amorim não apenas ocupa a função de diretor. Mesmo não dominando o idioma mais importante no mundo, ele é o professor de inglês da escola, é também quem presta serviços à secretaria da Educação do município, com o transporte escolar naquela região e, pasmem, é o motorista da Kombi, que ele comprou do prestador de serviço anterior, que havia desistido de transportar alunos por vários atrasos no pagamento. E, não custa nada lembrar que a esposa do diretor é professora e coordenadora na escola.

Com receio de ser perseguida e de prejudicar psicologicamente ainda mais o seu filho na escola, procurada pelo Água Preta News, a pedagoga explicou apenas que não comprou a camiseta do uniforme para o filho porque estava sem dinheiro.

“Em momento algum recusei comprar a blusa, eu só não poderia [comprar] naquele momento”, disse. “Estou sem chão com a situação. Li alguns artigos na internet que diziam que a escola não pode impedir o aluno de assistir aulas por este motivo”, enfatizou.

A mãe do adolescente procurou o Conselho Tutelar, na cidade de Itanhém, que teria oficializado a lamentável atitude do diretor à secretaria da Educação do município. A secretaria, por sua vez, de acordo com a mãe, determinou que o aluno fosse recebido na escola sem o uniforme, até que uma camiseta fosse providenciada.

“Quando saí da secretaria me disseram que o menino poderia ir pra escola, mas o diretor não deixou ele entrar”, explicou a mãe, fazendo questão de informar que o secretário da Educação, Álvaro Pinheiro e sua auxiliar, Maria Batista, se colocaram à disposição para resolver a situação e que o problema foi apenas no âmbito escolar.

Na verdade, mesmo que o uso do uniforme esteja presente no regimento escolar, desde que esteja vestido de forma apropriada para frequentar a escola, impedir o aluno de assistir aula por falta dele é ilegal, afinal, a Constituição Federal está acima de leis estaduais, municipais e também de normas internas. Ao que parece, somente o diretor e professor de inglês da escola de Vila São José não sabe disso ou finge não saber para fazer impor seu método arrogante e antipedagógico.

Claro que nos parece sensato gestores escolares exigir a utilização do uniforme porque a falta de identificação operacional dos alunos, principalmente em unidades de ensino localizadas em áreas de risco, como em favelas, nas grandes metrópoles, por exemplo, facilita a identificação de estranhos e até mesmo de traficantes nas dependências escolar. Mas, esta situação está muito distante da escola em questão, que tem um número muito pequeno de alunos – algo em torno de 120 – e está localizada em uma das vilas mais tranquilas do município, até mesmo por se tratar de uma região rural.

Para Juca Gil, professor de Políticas Educacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), embora esta seja uma situação controversa, é possível que a escola, por deliberação do conselho escolar, inclua em seu regimento interno a exigência do uniforme e, se o poder público fornecer as peças gratuitamente a todos os estudantes, há a possibilidade de defender o uso obrigatório da vestimenta, o que não é o caso da Escola Municipal José Alves de Sousa.

“Mas o direito de acesso à educação e a obrigatoriedade escolar, previsto na Constituição Federal, nos artigos 20 e 208, são considerados mais importantes do que qualquer deliberação da escola ou lei estadual ou municipal. Logo, nenhum argumento pode sobrepor o direito ao ensino”, pontuou.

Para Guilherme Perez Cabral, advogado e professor, doutor em filosofia e Teoria Geral do Direito, a ‘farda’ não o agrada por dois motivos.

“Primeiro, porque a escola, como ambiente de preparação para o espaço público plural, deve reconhecer as diferenças, valorizar o contato com o que não é igual, logo, o espaço escolar não combina com fardamento. Segundo, porque uniformizar é excluir, do âmbito do processo de ensino-aprendizagem, as lições que se podem tirar do debate sobre o que vestir”, disse.

Parece, entretanto, perca de tempo falar de questões pedagógicas com um educador que, em pleno século XXI proíbe o filho de uma professora de ter acesso à educação pelo simples fato de não estar uniformizado.

O artigo 208 da Constituição do Brasil efetiva o total acesso à educação e prevê a igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. O Estatuto da Criança e do Adolescente, de igual forma, proíbe impedir que uma criança deixe de assistir às aulas.

A mãe do adolescente, quando questionada, explicou que todas as aulas perdidas serão repostas. Não há informação, entretanto, de como será o cronograma especial para atender esse aluno e nem como os professores serão remunerados por essas aulas extras, se é que elas, de fato, serão aplicadas. Mas, se quiserem é possível. Impossível mesmo é voltar atrás ao impacto psicológico que a atitude do diretor da Escola Municipal José Alves de Sousa, Marcos Correia Amorim, causou ao adolescente e à família dele.

FOTO: Diretor da Escola de Vila São José, Marcos Amorim.

Destaque HOME

Ticiana Scalzer e mais dez nomes tomam posse como embaixadores do Projeto Resgate em Itanhém

mm

Publicado

em

[Edelvânio Pinheiro] A administradora de empresas e consultora de moda Ticiana Scalzer tomou posse como Embaixadora do Club Recreativo Resgate (CRR), na Casa da Cultura de Itanhém, na manhã da última quinta-feira (15).

Além de Ticiana, também se tornaram Embaixadores do projeto social outros dez profissionais liberais, como a professora Elane Botelho e o advogado Valdey Ferreira.

A Embaixada do Projeto Resgate foi idealizada pelo poeta e jornalista Almir Zarfeg e a instalação dela teve o apoio do empresário Francisco Sampaio Lopes, proprietário do provedor de internet New Style.

“Os embaixadores vão colaborar com o projeto social tanto financeira quanto apoiando as ações e, também, viabilizando parcerias e apoios”, afirmou Almir Zarfeg à reportagem do Água Preta News.

“Estou muito feliz por participar desse projeto belíssimo”, escreveu Ticiana em sua página no Facebook.

A professora e escritora Elane Botelho também comemorou sua nomeação como Embaixadora: “Muito honrada em ser Embaixadora desse projeto que dignifica a vida de tantas crianças”.

O Projeto Club Resgate, idealizado e coordenado por Manoel Binas, completou 11 anos de vida no último dia 15 de novembro. Esse número inspirou a nomeação dos embaixadores.

A seguir, a lista com todos os embaixadores e embaixadoras:

01 – Auta Maria Carvalho – Empresária/Teixeira de Freitas

02 – Cícero Bahia – médico/Cabo Frio

03 – Elane Botelho – professora/Itanhém

04 – Erivan Santana – professor/Teixeira de Freitas

05 – Fabiano Pires – dentista/Salvador

06 – Giu Cerqueira – fisiculturista/Itanhém

07 – Patrícia Brito – contadora/Teixeira de Freitas

08 – Sasdelli Resende Afonso – vereador/Itanhém

09 – Ticiana Scalzer – consultora de moda/Teixeira de Freitas

10 – Val Bernardino – empresária/Barra de São Francisco

11 – Valdey Ferreira – advogado/Teixeira de Freitas

Ticiana Scalzer toma posse como Embaixadora do Projeto Resgate.

 

Zarfeg, Ticiana, Manoel Binas, Romilva.

 

Zarfeg, Elane, Manoel Binas e Romilva.

FOTO DE CAPA: Embaixadores, diretoria do CRR e alunos celebram instalação da Embaixada.

Fotos: ItanhemFest/Eptácio Costa

 

Continuar leitura...

Destaque HOME

Vice-prefeito de Itanhém tira foto com Airam Ribeiro e desmistifica superstição

mm

Publicado

em

O vice-prefeito de Itanhém, André Lisboa, nesta quarta-feira (14), mostrou que, com ele, superstição não tem espaço e, definitivamente, desmistificou que, tirar foto com o poeta e escritor Airam Ribeiro é a coisa mais normal do mundo.

Airam Ribeiro tem um acervo fotográfico da cidade de Itanhém e dos moradores com mais de 3 mil unidades e em muitas dessas fotos ele aparece ao lado de pessoas ilustres que, de uma forma ou de outra, ajudaram a construir a história antiga e atual do município.

Acontece que, coincidentemente, algumas dessas pessoas vieram a falecer esse ano e, nas redes sociais, os próprios amigos e admiradores de Airam Ribeiro começaram a fazer brincadeiras, dizendo que, ‘deixar-se ser fotografado ao lado do poeta seria correr o risco de morrer antes do tempo’.

Nesta quarta-feira, o político então, que é advogado, fez questão de ser fotografado e ainda gravou um vídeo ao lado de Airam Ribeiro, que é amigo de sua família.

“Estou aqui na casa do meu amigo Airam e dessas 4, 5 mil pessoas [que aparecem nas fotos do acervo] só morreu uma meia dúzia. Então, estatisticamente essas fotos estão é salvando gente”, disse André Lisboa, enfatizando que Airam se fotografa ao lado de pessoas importantes, que são amigas e tradicionais em Itanhém. “Então é uma honra pra gente sair nessas fotos  e o resto é brincadeira do pessoal”, finalizou.

Brincadeiras à parte, Airam Ribeiro, por sua vez, publicou nas redes sociais um cordel – que é uma de suas especialidades – chamando de medroso o supersticioso que acredita em coisas inócuas e que depositam confiança nessas causalidades:

AO SUPERSTICIOSO CAGÃO

Você que é supersticioso

Amigo, deixe de bobagem

Você metido a gostoso

Tá mesmo é com frescuragem

Se eu oferecesse dinheiro

Você era logo o primeiro

A querer sair na imagem.

 

Nesta simples brincadeira

Digo que eu não inventei

Partiu das vozes treiteiras

Que de onde veio, nem sei!

Se você não gostou cai fora

Mais te digo que sua hora

Não está nas fotos que tirei.

 

Uma queda lá no banheiro

Ao atravessar uma estrada

Ou mesmo num fogueteiro

Ou seu coração der parada

A minha foto não vai te matar

É o seu medo que vai te mandar

Você pra outra empreitada.

 

A te esperar tá o cemitério

Seja supersticioso ou não

A morte é um mistério

Uma foto não é a questão

Você morre de qualquer jeito

Mas o seu maior defeito

É ser um medroso e cagão.

Continuar leitura...

Destaque HOME

Erivan Santana e Patrícia Brito formalizam candidaturas à ATL; inscrições seguem até quinta-feira (15)

mm

Publicado

em

[Edelvânio Pinheiro] Os escritores Erivan Santana e Patrícia Brito formalizaram na última sexta-feira (9) suas candidaturas à Academia Teixeirense de Letras (ATL). Conforme o Edital de Nº 001/2018, eles tentam suprir a vacância das Cadeiras 22 e 36 devido à mudança de domicílio dos acadêmicos João Pinto e Amaro Sant’Anna, que passarão à condição de membros honorários.

Escritores e poetas interessados em concorrer às duas cadeiras podem se inscrever até o próximo dia 15 de novembro. Mas precisam ser teixeirenses ou residir em Teixeira de Freitas (já que as cadeiras pertencem à cota dessa cidade-sede) e ter pelo menos uma obra literária editada. Mais informações através do e-mail atl_letras@yahoo.com.br

Erivan Santana é natural de Itanhém, mas reside em Teixeira de Freitas há muitos anos. Licenciado em letras e com mestrado em ciências da educação, leciona há mais de 20 anos no ensino fundamental teixeirense e no ensino médio baiano. Em 2018, pela Editora PerSe, estreou na poesia com o livro “Para ler um poema”, que teve lançamento nacional na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Ganhou uma menção honrosa no Prêmio Castro Alves de Literatura 2018 com o poema “O café”.

Já Patrícia Brito nasceu em Teixeira de Freitas onde se graduou em Turismo, Ciências Contábeis e Letras. Em 2017, publicou o romance “Decidir os caminhos da vida” e, em 2018, a novela “Cuida bem de mim!”, pelas editoras Saramandaia e PerSe, respectivamente. Ela também marcou presença nas antologias “Bastidores”, “Crônicas e alguns contos” e “ATL em Verso e Prosa!” A escritora mantém o blog “Leituras Plus” no qual publica resenhas sobre obras de escritores brasileiros da nova geração. Teve um conto premiado no Prêmio Castro Alves de Literatura 2017.

“Uma vez inscritos, os candidatos serão avaliados pelos membros efetivos da ATL que decidirão por maioria simples pela escolha desse ou daquele candidato”, informou Almir Zarfeg, presidente da ATL.

Ainda segundo Zarfeg, a posse dos dois novos membros eleitos vai acontecer no evento solene inicial de 2019, marcado para 14 de março, Dia de Castro Alves, patrono-geral da ATL. Também serão empossados os primeiros membros correspondentes da entidade literocultural.

Na oportunidade, o maestro Eudes Oliveira Brito será empossado membro benemérito. Ele é autor da melodia do hino da ATL. A letra é do confrade Marcus Aurelius.

VEJA entrevista concedida por Erivan Santana à TV Sul-Bahia aqui.

FOTO CAPA: Escritores Erivan Santana e Patrícia Brito formalizam candidaturas à ATL.

Erivan Santana e Almir Zarfeg

Patrícia Brito e Almir Zarfeg.

 

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA