Connect with us

Destaque HOME

Talvez bastasse apenas que as portas do Hospital Maria Moreira estivessem abertas

mm

Publicado

em

Estou ouvindo as belas canções de George Michael, nesta manhã de domingo. Talvez você preferisse um clássico gospel, como ‘Grandioso és tu’, por exemplo, em reverência ao Deus que você tanto buscou de joelhos nos bancos da igreja com seus irmãos batistas ou em casa com a família e, até sozinho, na oficina, num cenário em que ferros velhos e chaves de fenda sempre deram o tom da decoração.

Na tarde de ontem, meu amigo, depois de mais um dia intenso de trabalho, seu coração que por 61 anos bombeou alegria, altruísmo e principalmente empatia começou a parar. A grande maioria dos seus amigos só soube de sua batalha pela vida à noite, depois que você havia partido lá do Hospital Municipal de Medeiros Neto.

Talvez pudéssemos ter transferido a sua passagem no trem das sete para outra ocasião. Quem agora vai nos representar tão bem nos conselhos de defesa dos interesses da comunidade de Itanhém? E o seu sorriso largo e sincero?

E nos entristece ainda mais, neste momento de dor, saber que a cidade pela qual você dedicou os seus dias não teve a hombridade de lhe oferecer se quer os primeiros socorros. Talvez nem fosse preciso uma sala de estabilização ou um simples desfibrilador; talvez bastasse apenas que as portas do Hospital Maria Moreira Lisboa, que tanto você defendeu nas reuniões do Conselho Municipal de Saúde, estivessem abertas. Prado, a sua cidade natal e pela qual você certamente não dedicou sua vida, como fez por Itanhém, talvez tivesse lhe dado um tratamento melhor.

Acho que vou encerrar por aqui minhas lamentações porque as lágrimas já embaçam a visão e não consigo ver com nitidez a tela do notebook. Vá com Deus e eu sigo ouvindo ‘Careless Whisper’, a música que Camar Borborema enviou ao amigo Liomar Cortes, minutos antes de passar por situação semelhante a sua, amigo Josafá. Se encontrá-lo por aí, diga que mandei um forte abraço.

[Crônica de Edelvânio Pinheiro]

Destaque HOME

Depois de manifestação e denúncia no MPF prefeitura deve assumir emergência do hospital em Itanhém

mm

Publicado

em

O Hospital Maria Moreira Lisboa de Itanhém, que está fechado oficialmente desde o dia 19 de novembro, quando a prefeita Zulma Pinheiro (MDB) recebeu o comunicado da diretoria, poderá ser reaberto no início da próxima semana.

Uma reunião no final da tarde desta sexta-feira (14) com a diretoria e funcionários do hospital, de acordo com informações que não confirmadas pela Água Preta News, teria definido que caso a prefeitura assuma o setor de emergência a unidade seria reaberta.

Além de uma manifestação pelas ruas da cidade em favor da reabertura do único hospital da cidade, no último dia 10, o vereador André Correia (PHS) protocolou denúncia no Ministério Público Federal (MPF), na cidade de Teixeira de Freitas, solicitando interferência do poder público federal para que a prefeitura de Itanhém, com o fechamento do hospital, faça funcionar serviços de urgência e emergência para atender a população. Nesse documento o vereador chegou a anexar três reportagens do Água Preta News sobre o assunto.

O médico Oséas Moreira, um dos donos da unidade de saúde estaria viajando, mas seu representante na reunião teria anunciado que, na opinião do diretor, o hospital só seria reaberto depois que a prefeita assumisse formalmente a emergência.

Durante esse período de caos na saúde de Itanhém pelo menos dois homens morreram e a população acusa nas redes sociais que os óbitos ocorreram por falta de atendimento médico-hospitalar.

Reveja:

População faz manifestação pela reabertura de hospital. Prefeita diz que Itanhém tem 13 médicos

Vereador solicita intervenção do poder público federal para serviços de urgência e emergência em Itanhém

Com hospital fechado mecânico sofre infarto em Itanhém e morre em Medeiros Neto

Sem hospital pai de policial morre em Itanhém após uma hora dentro de Samu

 

Povo vais às ruas cobrar a reabertura do Hospital Maria Moreira.

Vereador André Correia recorreu ao MPF para defender saúde para a população.

Continuar leitura...

Destaque HOME

Presidente da Câmara se emociona e chora na última reunião ordinária em Itanhém

mm

Publicado

em

Na última reunião ordinária da Câmara de Vereadores que presidiu, Ronaldo Correia (PC do B) teve a voz embargada e chorou em vários momentos.

O presidente se emocionou quando agradeceu pelo apoio que recebeu dos colegas vereadores, da prefeita, do vice-prefeito e da população durante o seu mandato.

“Posso dizer que foram dias felizes porque tive a oportunidade de contribuir com o meu município, com a minha terra natal”, declarou Ronaldo Correia ao Água Preta News. “Agradeço a Deus primeiramente e a todos aqueles que tiveram comigo nesses dois anos debatendo, orientando e até discordando; a democracia é mesmo assim, feito muito das vezes de divergências, mas tudo com vontade de acertar, de fazer o melhor pela população da qual nós políticos somos representantes”, pontuou.

Na reunião Ronaldo Correia lembrou de várias discussões que travou com colegas para defender seu posicionamento pessoal e político.

“Algumas discussões foram até acaloradas, mas sempre com respeito”, lembrou. Se errei ou se falhei com algum colega, com algum funcionário ou com qualquer pessoa que frequentou nossas reuniões, peço desculpas”, prosseguiu.

Ronaldo Correia também se emocionou ao abordar o fechamento do Hospital Maria Moreira Lisboa.

“O meu plano de saúde também é o SUS e qualquer um de nós pode, a qualquer momento, precisar de atendimento, sem contar que esse hospital faz parte da história de todos nós”, finalizou.

Continuar leitura...

Destaque HOME

De lá Maria Pinheiro está aplaudindo sua neta, que é “impávida que nem Muhammad Ali”

mm

Publicado

em

Eu me lembro como se fosse hoje.

Ainda numa maca no corredor do Hospital Municipal de Teixeira de Freitas, quando retornou do último AVC, minha mãe, Maria Pinheiro, que há seis anos não mais está neste plano, disse que não queria ter voltado.

Ao recobrar a consciência e perceber que estava viva, ela desapontou-se, descrevendo aquele mundo onde estivera por algumas horas como um lugar harmonioso, de luz, de serenidade e de uma beleza exuberante. Falou das plumas que a envolviam, dando-lhe proteção e também que lá não habitava o sofrimento, a ansiedade, a depressão ou quaisquer outros males da alma.

Imagino que um anjo deva ter recebido minha mãe com luzes serenas e que mãos poderosas a envolveram durante todo o período que aqui ela se manteve desacordada.

Nos 80 anos que por aqui esteve, Maria Pinheiro valsou embalada pela vontade e ternura de viver e enfrentou o mundo com dignidade e força para ser o pai e a mãe dos nove filhos que criou. Autodidata, ela aprendeu a ler, a escrever e ensinou aos filhos o valor da simplicidade das coisas.

Cresci vivenciando a batalha diária que a minha mãe travava para nos manter e nos educar. E esses laços invencíveis, guardados no inconsciente, os quais unem eu e minha mãe além da vida, fiz questão de transferir aos descendentes que decidiram seguir os passos que com ela aprendi. Entre os descendentes está a minha primogênita, “impávida que nem Muhammad Ali, apaixonadamente como Peri e infalível como Bruce Lee”.

E sei que neste dia 12 de dezembro, lá do reino sereno e poderoso que minha mãe tão perfeitamente descreveu quando retornou daquele AVC está Maria Pinheiro, de pé, aplaudindo a sua neta Thathira Mickaelle, que acaba de apresentar o trabalho final do curso de direito na Faculdade Pitágoras.

[Crônica de Edelvânio Pinheiro]

Foto: Thathira Mickaelle com os professores Caike Gama, Luciano Porto e Gilleard Pádua, durante apresentação do TCC.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA