Connect with us

Destaque HOME

Edelvânio Pinheiro sempre se fez ser ouvido e lido nesse meio século de vida

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Compartilhe

 

[Por Luiz Henrique] Sua bênção, meu pai!

Meio século de vida. De Médice a Bolsonaro. Alguns fatos que estudei como história para um nobre jornalista itanheense um dia foi apenas notícia.

E fico a questionar. Seria possível viver 50 anos e não ter arrependimentos? Me parece mais lógico buscar entendimento para a velha frase “respeita a minha história”, tanto dita por pessoas que galgaram milhares de dias de vida.

A verdade é que a maioria das pessoas chega a esta idade como meros figurantes na história de sua comunidade. O mesmo não se pode dizer do meu pai Edelvânio Pinheiro, que sempre se fez ser ouvido e lido principalmente. Ninguém poderá dizer que ele não viveu intensamente suas cinco décadas e muito menos julgar sua ecleticidade uma vez que, dentre seus nove filhos há evangélicos e católicos – praticantes ou não – músicos, atletas, graduados e graduandos, há também roqueiros e sertanejos, jalecos, ternos, coturnos, capacetes e luvas de couro.

Cada filho com um pouco da genética paterna, uns com a aparência, outros com gestos e trejeitos, mas todos repletos de conselhos, dicas, truques e macetes para a vida, que três de nós já estão repassando aos netos dele.

Neste dia especial, gostaria que meu pai me desse a honra de lhe dá um conselho, não me posicionando como discípulo que supera o mestre, mas como coaprendiz da grande mestra-vida: “50 anos não é o meio da vida nem o seu final. Viva os próximos anos que Deus lhe permitir sem arrependimentos. As próximas décadas irão coroar seu legado e eu me sinto orgulhoso de ser parte da sua história, até porque a minha vida só existe por causa da sua”.

Parabéns ao filho de Maria Pinheiro, minha avó, e Dazim da Pipoqueira, meu avô. Felicidades ao pai de Thathira, Henrique, Daiane, Lohana, Amy, Albert, Lucca, Tauane e Tomás. Muitos anos de vida ao avô de Luisa, Bento, Levi e Tito. [Luiz Henrique, filho do jornalista Edelvânio Pinheiro, é graduado em Petróleo e Gás]