Connect with us

Destaque HOME

Após reportagem, Renilda Chapéu diz que secretaria vai pagar exames para mãe que está vendendo rifa para tratamento de filho

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Compartilhe

A secretária da Saúde, Renilda Chapéu, ao tomar conhecimento da reportagem “Mãe vende rifa para pagar exames de filho especial em Itanhém” fez contato com o site Água Preta News e garantiu que a secretaria vai pagar os exames do filho de Talita Matos.

O garoto de 6 anos é imperativo e tem paralisia cerebral. Ele não fala, não anda e se desloca numa cadeira de rodas, que foi emprestada pela APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

De acordo com a mãe, a secretaria encaminhou a criança para exame oftalmológico em um dos mutirões promovidos pelo governo do estado, o que não deu certo em razão da sua condição especial.

O garoto precisa fazer uma refração – que identifica a acuidade visual e o grau dos óculos – sob cicloplagia, que é paralisia da pupila do globo ocular – e um exame conhecido como BERA, que serve para verificar a capacidade auditiva  e a integridade das vias que conduzem o som.

“Manda ela me procurar que vamos pagar os exames, a secretaria sempre atendeu essa senhora. Nós não temos convênio, mas vamos pagar particular para ela, já pedir a regulação para atendê-la”, garantiu a secretária ao Água Preta News.

Quanto ao fato de que a mãe da criança alega que, para evitar gastos, foi orientada a se mudar para Vitória na ocasião em que seu filho fez tratamento na capital do Espírito Santo, onde também chegou a fazer uma cirurgia, a secretária Renilda Chapeu disse que não tem conhecimento desse episódio.

“Nunca falei e nunca ouvi ninguém falando isso com ela”, finalizou.

Minutos antes e sem saber de que a secretária havia garantido de que vai pagar os dois exames de seu filho, Talita Matos postou um desabafo nas redes sociais elogiando a gestão anterior de Milton Ferreira Guimarães, o Bentivi (PSB).

“Na outra gestão nunca precisei fazer uma rifa, sempre conversava com Lidiane [secretária da Assistência Social e mulher do então prefeito] e ela tentava da melhor forma me ajudar”, escreveu.