Connect with us

Destaque HOME

ÁUDIO: Secretária da Saúde de Itanhém admite que focos do mosquito Aedes aegypti estão alastrados na cidade e distritos

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

A secretária da Saúde de Itanhém, Renilda Chapéu, a convite do vereador Whindson Moreira Mendes, o Nem Mendes (PP), foi à Câmara Municipal nesta segunda-feira (18), dar explicações sobre o alto índice de casos de dengue, chikungunya e zica no município de Itanhém.

A secretária admitiu que os focos do mosquito Aedes aegypti estão alastrados tanto na cidade quanto nos distritos.

“Olha, essa chikungunya, dengue e zika está sendo assim uma epidemia também porque está alastrada em nossa cidade e todos os distritos também”, afirmou a secretária no início de sua fala. “Preocupada, nossa prefeita não mediu esforços, reuniu todos os secretários para fazer este combate, porque temos que combater mesmo, os meninos sozinhos das endemias não seria possível de estar realizando [o combate], por isso contratamos uma equipe muito grande, uma equipe que acho que vai chegar a 100 pessoas para estar entrando de casa em casa, eliminando os focos”, acrescentou.

De acordo com a secretária, a equipe que iniciou o trabalho nesta segunda-feira, encontrou vários quintais com muito foco do mosquito.

“Gente, vocês não imaginam como estavam vários quintais, só naquele momento que estávamos ali, imagina toda a nossa cidade, só naquele local, muito foco, muita água parada, muito mato”, disse.

Renilda Chapéu disse que em todo o município de Itanhém, até o momento, a secretaria  e a vigilância epidemiológica já notificaram 200 casos de dengue, 156 de chikungunya e apenas seis casos de zika. Ela fez questão de enfatizar que casos notificados não necessariamente representam efetivamente as doenças provocadas pelo Aedes aegypti.

“São casos suspeitos”, destacou Renilda.

O vereador André Correia (PP), que por sinal é enfermeiro, disse que os dados apresentados pela secretária na Câmara Municipal tratam-se de subnotificações. Segundo ele a quantidade de pessoas que foram vítimas da dengue, chikungunya e até zika é muito superior aos números mostrados.

“Esses números mostram uma subnotificação, nada mais que isso, pois o número de casos dessas doenças é infinitamente maior do que esses, secretária”, disse André Correia, no momento de sua fala. “Desafio fazer uma live aqui neste momento e não aparecer mais de 300, 500 casos, digo apenas numa live, porque onde se passa em Itanhém há pessoas queixando-se de dores e com sintomas semelhantes aos da chikungunya, dengue e zika”, completou.

André Correia ainda criticou uma foto publicada em site ligado à administração municipal, na qual aparece uniformizados a prefeita, seus irmãos Álvaro Pinheiro e Newton Pinheiro – que ocupam três importantes secretarias – e outros dois secretários, juntamente com pessoas contratadas para fazer um mutirão contra a dengue, chikungunya e zika. Para André, já passados quase três anos e meio da administração, sem um projeto efetivo de combate ao mosquito Aedes aegypti, a foto nada mais é do que a apresentação de um espetáculo.

“Viram a foto ridícula, que aparece a prefeita e seus irmãos mais fazendo espetáculo do que efetivamente uma ação de combate ao Aedes aegypti?”, perguntou. “Aquela foto é o retrato inequívoco da atual gestão: espetaculosa e enganadora”, criticou. “Espetaculosa porque não se combate o transmissor da dengue e da chikungunya com mutirão e sim com ações efetivas e constantes de agentes treinados para tal finalidade e, mentirosa, porque a prefeita, seus irmãos e os secretários que ali estão são incapazes de moverem uma palha para combater o mosquito”, provocou.

O município tem apenas 19 agentes de endemias. Desse total, 13 cuidam da cidade e seis das vilas, distritos e zona rural. Em época de pandemia do novo coronavírus, de acordo com o vereador André Correia, agentes foram retirados do combate ao foco do mosquito.

Ouça áudio da fala da secretária Renilda Chapéu: