Connect with us

Destaque HOME

Brasil eliminado da Copa: como ajudar crianças a superar a frustração

mm

Publicado

em

Nunca é fácil lidar com frustração: a sensação de aperto no peito, aquela alegria “extra” da idealização da vitória que desapareceu. Ver o Brasil ser eliminado da Copa, então… Mas não adianta fingir que nada aconteceu, dizem especialistas. Para quem viu o jogo e colocou expectativa na vitória, a decepção certamente virá.

Adultos têm mais facilidade para seguir adiante: a rotina volta ao normal e há maior entendimento sobre como funciona a natureza do esporte. Sabemos que há uma alternância natural entre ganhar e perder.

Crianças, no entanto, podem levar mais tempo para chegar a esse entendimento e precisam de ajuda. Uma boa orientação nessa hora pode ser a diferença tanto para lidar com a frustração momentânea quanto para aprender a superar possíveis decepções futuras, dizem especialistas.

“Algumas crianças não têm ferramentas para lidar com frustração. Será um momento propício para conversar sobre tolerância, sobre expectativas, sobre a natureza da vida e do esporte”, explica Rodolfo Rasmusen, psicólogo especialista em esporte em São Paulo.

O psicólogo explica que nem todos os pequenos vão agir da mesma forma. O nível de frustração vai depender de cada torcedor mirim — e dificilmente vai estar atrelado ao momento da partida somente. A criança entende a natureza do esporte? Tem bons exemplos em casa? Aprendeu a lidar com frustrações em outras situações? Ela teve muita expectativa?

Cristiano Oliveira, de 10 anos, . Ele comemora todos os aniversários com o tema futebol. Ele conta que ficou depressivo na eliminação do Brasil em 2014, mas conseguiu se distrair e esquecer (Foto: Arquivo Pessoal)

Cristiano Oliveira, de 10 anos, . Ele comemora todos os aniversários com o tema futebol. Ele conta que ficou depressivo na eliminação do Brasil em 2014, mas conseguiu se distrair e esquecer (Foto: Arquivo Pessoal)

“A frustração é proporcional à expectativa. O ambiente familiar influencia muito a expectativa da criança. Mas ela também tem sua esperança individual, como sujeito. Sua reação vai depender de como ela lidou com experiências prévias de frustração”, diz Rasmusen.

O ambiente familiar e a expectativa podem ter contribuído para a frustração de Caio Oliveira Mello Miranda, 14, na eliminação do Brasil durante a Copa de 2014 no fatídico 7×1 contra a Alemanha. Ele tinha 9 anos na época e viu o jogo com toda a família em Petrolina (PE).

“Todos falavam que o Brasil ia ganhar porque tinha um bom time. Também diziam que o Brasil teria mais garra porque o Neymar se machucou. Quando o jogo começou, e eu vi o Brasil levando uma surra, chorei muito. Não achava que aquilo ia acontecer. Quis parar de torcer para o Brasil” — Caio Oliveira Mello (14).

O torcedor mirim atribuiu sua frustração em 2014 ao seu baixo entendimento de futebol. “Todo mundo falava que o time era o melhor, então, eu acreditava”, diz.

“Hoje em dia olhando melhor, aquele time que nós tínhamos era muito ruim. Não tínhamos a menor chance de ganhar a Copa. Estavamos iludidos”, continua Caio.

Caio demonstra que conseguiu lidar com a frustração e compreender como funciona o futebol com o passar do tempo, a exemplo da orientação de psicólogos. De fato, algumas crianças podem inclusive lidar melhor que adultos: sabem que perder o jogo faz parte e conseguem até “apostar” numa possível derrota do Brasil.

O estudante capixaba Felipe José Nader Ribeiro, de 14 anos, por exemplo, chegou a ganhar um bolão na Copa de 2014 ao acertar que a Alemanha venceria o Brasil por 7 x1.

“Eu não torci contra o Brasil de jeito nenhum, mas achei que o time da Alemanha era muito melhor naquele momento”, justifica.

“Foi um susto muito grande. Só foi bom porque ganhei o dinheiro, mas não torcia para a Alemanha. Só vi que o Brasil não estava bem” – Felipe José Nader (14).

Há também os que ficam tristes, mas têm a habilidade de lidar com o que aconteceu, nomeando o sentimento, conseguindo conversar sobre. O pequeno Pedro Rodrigues, “de quase sete anos”, como ele mesmo pontua, diz que o que sentiu durante o 7 x1 contra a Alemanha ficou guardado.

“Estava na casa dos meus avós, em Teresópolis, próximo à Granja Comary. Lembro de como aquele jogo deixou todos muito tristes. Aquilo ficou guardado. Era tristeza mesmo, sabe? — Pedro Rodrigues (7 anos), sobre a derrota do Brasil contra a Alemanha.

Cristiano Oliveira, de 10 anos, de Teresina (PI) apesar da pouca idade, também lembra do 7×1 da Copa de 2014 e se utilizou da distração para vencer a frustração. “Foi uma sensação de tristeza. Fiquei meio depressivo. Eu jogava bola com os meus amigos. Tentava esquecer”, conta.

Apesar da diferença entre adultos e crianças, entretanto, um ponto importante é que torcedores mirins comumente vão lidar com a frustração de maneira muito semelhante aos pais. “Elas tendem a seguir e ser o espelho dos pais”, diz Alberto Santos, psicólogo do esporte em São Paulo.

“Se a criança tem modelos consistentes de como lidar bem com a frustração, se tem familiares que costumam lidar bem com isso, ela vai passar por isso sem maiores problemas”, afirma Santos.

O pequeno Kaio Vitor, 11, do Rio de Janeiro, diz que ficou 'tentando esquecer' a derrota do Brasil contra a Alemanha. 'Consegui mais ou menos', diz. (Foto: Arquivo Pessoal)

O pequeno Kaio Vitor, 11, do Rio de Janeiro, diz que ficou ‘tentando esquecer’ a derrota do Brasil contra a Alemanha. ‘Consegui mais ou menos’, diz. (Foto: Arquivo Pessoal)

Como ajudar a criança a superar a frustração:

  1. A frustração é normal. Ela ajuda a criança a se tornar mais forte, mais resiliente.
  2. Caso a criança chore, promova acolhimento: abrace, explique, converse sobre o assunto.
  3. Não mascare o ocorrido, desviando a atenção da criança para doces ou outros assuntos. Aproveite a oportunidade para explicar o que aconteceu. O desvio pode acontecer depois da conversa.
  4. Converse sobre o que aconteceu, explicando a natureza do esporte e da vida.
  5. Exemplos de superação e histórias são boas maneiras de explicar o ciclo do esporte e da vida, dizem especialistas. Há uma alternância natural entre ganhar e perder.
  6. Na Copa do Mundo, uma maneira de ajudar na superação é explicar toda a preparação para um campeonato como esse e discorrer sobre as dificuldades. Trata-se de um ciclo de quatro anos, com ótimas seleções, e muita preparação.
  7. Especialistas também sugerem valorizar os ganhos do processo e relembrar os bons momentos do Mundial.
  8. Cabe controlar um pouco a frustração da própria família. Segundo especialistas, claro que todo mundo tem o direito e vai ficar triste, mas a criança absorve o sentimento do entorno.
  9. Observe como a criança lidou com a eliminação. A dificuldade de frustração ocorreu em outros momentos e as conversas não têm sido eficazes? Se sim, talvez seja o caso de procurar ajuda.

De modo geral, a frustração é um processo natural, mas níveis muito altos de frustrações, dizem especialistas, indicam que há questões para além do jogo. Há que considerar a experiência da criança em outras situações; e, se for o caso, buscar ajuda.

“Dependendo do grau dessa frustração e de outras circunstâncias em que ela se apresente, pode ser necessária uma investigação mais profunda”, diz Alberto Santos.

“Um caso isolado como um jogo nunca vai ser indicativo de uma patologia ou de algo mais grave. É necessário investigar o conjunto” — Rodolfo Rasmusen, psicólogo especialista em esporte em São Paulo.

O pequeno Guilherme Pinto Soares, 11 anos, aprendeu a comemorar as pequenas vitórias e acreditar na 'volta por cima' (Foto: Arquivo Pessoal)

O pequeno Guilherme Pinto Soares, 11 anos, aprendeu a comemorar as pequenas vitórias e acreditar na ‘volta por cima’ (Foto: Arquivo Pessoal)

Oportunidade para aprender a lidar com a frustração

A eliminação do Brasil, contudo, pode dar espaço para oportunidades importantes na experiência emocional da criança, como o desenvolvimento da tolerância. O esporte é uma circunstância propícia para ajudar no desenvolvimento de uma maior resistência à frustração, dizem psicólogos,.

“É um bom momento para todos os pais de trabalhar a questão da derrota. E não só no esporte. É possível demonstrar que a vida em geral tem de seguir, independente das frustrações pontuais”, afirma Rodolfo Rasmusen.

Especialistas explicam que a frustração, se mal gerenciada, pode acarretar em baixa tolerância a momentos negativos ao longo da vida. “Uma orientação é conversar sobre o assunto. Não esconder o que aconteceu. Não superproteger”, diz Santos.

Felipe José Nader apostou em bolão que Brasil perderia da Alemanha por 7 a 1 (Foto: Arquivo Pessoal)Felipe José Nader apostou em bolão que Brasil perderia da Alemanha por 7 a 1 (Foto: Arquivo Pessoal)

Alberto Santos explica que a Copa do Mundo pode servir para explicar a importância do planejamento, da preparação e da valorização dos pequenos ganhos ao longo do processo, mesmo que o resultado final não tenha sido o esperado.

O Mundial também pode ensinar que algumas situações não podem ser controladas, independente do esforço empreendido.

“A Copa é um ciclo de quatro anos, que envolve outros campeonatos, outras partidas. Dá para mostrar para a criança como valorizar os pequenos ganhos. Com isso, a frustração sobre a derrota final será menor”, diz Alberto Santos.

“Também é um momento para mostrar para crianças que existem os pontos na vida em que se pode controlar e aqueles que escapam ao nosso controle. Exemplos e histórias são boas maneiras de introduzir o tema”, conclui o especialista.

A valorização das pequenas vitórias foi o que ajudou o pequeno brasiliense João Guilherme Pinto Soares, de 11 anos, a superar a frustração do 7×1. Mesmo com tudo o que aconteceu, ele conta que comemorou o único gol feito pelo Brasil — do Oscar, no minuto 90, pouco antes do fim da partida: o chamado “gol de honra”.

“Chorei em todos os gols da Alemanha. Estava todo pintado, com a bandeira do Brasil, acreditando na vitória. Mas, mesmo assim, comemorei quando o Oscar meteu o gol” — João Guilherme Pinto Soares (11 anos).

“Sou daquele tipo de torcedor que tem fé no coração. Tive força e coloquei na minha cabeça que o Brasil vai dar a volta por cima.”

*Participaram da reportagem os repórteres, Bruno Albernaz e Carlos Brito, do G1 RJ, Mariana Perim, do G1 Espírito Santo, Letícia Carvalho, do G1 DF, Maria Romero, do G1 PI, e Beatriz Braga, do G1 Petrolina.

Destaque HOME

Enelita Freitas dedica resenha à obra “Crônicas Abrilenses & outros escritos”, de Wilton Soares

mm

Publicado

em

A professora e escritora Enelita Freitas acaba de resenhar a obra de estreia do professor e sociólogo Wilton Soares. Trata-se de um livro de crônicas publicado pela Editora PerSe e que ganhou sessão de autógrafos, no último mês de maio, em Dois de Abril/MG, onde o autor vive há quase trinta anos. Wilton, diga-se de passagem, é natural de Itanhém/BA.

Com vocês, em primeira mão, a resenha da autora de “O voo de Marita”, dentre outros títulos:

Acordei antes das 06h, com o sinal de uma mensagem chegada pelo whatsApp. Havia me esquecido de silenciar o aparelho. Aproveitei para concluir a leitura do livro “Crônicas Abrilenses & outros escritos”, de Wilton Soares.

Devo dizer que a cada crônica lida aumentava meu interesse pela leitura, tal o envolvimento que o autor demonstra ter com a Vila de Dois de Abril e seus moradores…, sendo notório o olhar atento de Wilton Soares sobre as pessoas e os acontecimentos locais, como convém a um sociólogo. Todavia arrisco afirmar que sua formação acadêmica parece não ser o principal fator responsável pela escritura dessa obra. É evidente que um sociólogo converge seus estudos para as relações sociais, mas creio que a isso se soma, com muito maior peso, o jeitode ser de Wilton, que, mesmo tendo vivido em um grande centro e feito um curso superior numa Universidade Federal renomada, não perdeu seu lado interiorano, que o faz olhar o mundo e as pessoas de maneira bem próxima e familiar.

Dotado de uma memória digna de louvor, a ela associa a capacidade de participar do dia a dia de uma vila com todos os aspectos que a ela são peculiares. E um terceiro fator que contribuiu para que as Crônicas Abrilenses viessem a lume foi a aproximação de Wilton com os moradores mais antigos e sua crença no poder da oralidade. Ele se vale da história oral para recompor uma história que poderia até parecer esquecida pelos mais velhos e nunca ouvida pelos mais novos e que, agora registrada nessa obra, não poderá jamais se apagar.

É ouvindo causos e presenciando acontecimentos que Wilton se mostra um exímio narrador de histórias. Suas crônicas, revestidas de simplicidade, vão dos espaços físicos aos espaços das relações humanas, revelando o viver em sociedade dos moradores da Vila de Dois de Abril, a “Vila dos Mortos” e “Vila dos Vivos”. Conhece todas as pessoas pelos nomes, apelidos, filiação, características e costumes. No seu trânsito pelo poder legislativo, Cartório do Registro Civil, sala de aula, Direção de Escola, barzinhos, botecos e campo de baba, trava conhecimento com essas pessoas e, ao escrever as crônicas, faz com que todas elas desfilemtextualizadas na obra, tornando-as, além de “personagens” das narrativas, muito familiares ao leitor.

Penso que não será exagero imaginar que os habitantes de Dois de Abril sentiram-se homenagados ao se verem retratados nos escritos de Wilton e, sobretudo, por se constituírem a mola propulsora da engrenagem que moveu a tessitura dessa obra.

Wilton, ao falar de sua vida pessoal, transcrevendo fragmentos das cartas trocadas com sua hoje esposa Marilândia, dá um testemunho da grandeza do amor entre os dois, que, com certeza, tem sido o alicerce para o casamento sólido e duradouro.

Contos Abrilenses& outros escritos vai além da Vila de Dois de Abril. Navegando nas águas do rio Jucuruçu ganha o território do Extremo Sul da Bahia, de onde também tira algumas importantes passagens da vida do autor, as quais possibilitam reacender a chama da memória dos que com ele conviveram às margens do Água Preta.

Parabéns, Wilton! Bem-vindo ao mundo das Letras!

Foto de Capa: Enelita Freitas autografando “Padre José, um homem singular e plural” em 2014

Continuar leitura...

Destaque HOME

Inscrições para membro titular da Cadeira 37 da ATL seguem abertas até 30 de setembro

mm

Publicado

em

Até o dia 30 de setembro, encontram-se abertas as inscrições para Membro Titular da Cadeira 37 da Academia Teixeirense de Letras (ATL). O saudoso Dom Antônio Eliseu Zuqueto é o patrono dessa cadeira. Os interessados podem solicitar o Edital pelo e-mail: [email protected]

Qualquer pessoa acima de 21 anos de idade, residente em Teixeira de Freitas/BA e com pelo menos uma obra devidamente editada, pode se candidatar à cadeira. Em seguida, deverá enviar carta ao Presidente da ATL solicitando a inscrição, de posse de curriculum vitae, comprovante de residência, exemplar de obras publicadas e comprovante de pagamento de taxa de inscrição (1ª anuidade).

“Feita a inscrição, ela será validada pela diretoria e, posteriormente, em assembleia fechada, haverá a avaliação do material apresentado”, informou Almir Zarfeg, presidente da ATL.

Até agora, apenas a professora e escritora Enelita Freitas formalizou sua candidatura à vaga acadêmica. O ato aconteceu durante a sessão de autógrafos do livro “O voo de Marita”, de sua autoria, na noite de 21 de agosto, no auditório do Campus X da UNEB, em Teixeira de Freitas.

“O novo membro efetivo será conhecido na 1ª quinzena de outubro e sua posse vai acontecer em 5 de dezembro durante evento solene final de 2019”, acrescentou Zarfeg.

Leia mais sobre Enelita Freitas aqui.

Continuar leitura...

Destaque HOME

Zarfeg autografa “Nós”, que organizou para a Lura Editorial, na Bienal do Livro do RJ

mm

Publicado

em

O poeta e jornalista Almir Zarfeg vai autografar “Nós”, antologia poética que organizou para a Lura Editorial no dia 8 de setembro, no stand da editora paulista na XIX Bienal Internacional do Livro do Rio. O evento editorial acontece de 30 de agosto a 08 de setembro de 2019, no Riocentro.

A obra reúne dezenas de poetas de todo o Brasil que também vão autografá-la e, ao mesmo tempo, serão homenageados com medalhas e diplomas de participação.

Além de organizar a coletânea, Zarfeg cuidou da apresentação da obra que classificou de muito oportuna, por incluir em vez de limitar e abranger em vez de reduzir a produção e veiculação da poesia entre autores e leitores.

“A Lura está de parabéns pela iniciativa e os coautores, também, por aproveitarem esta oportunidade para fazer e acontecer poeticamente”, afirmou Zarfeg.

O diretor executivo da Lura, Roger Conovalov, também comemorou o resultado da obra que conseguiu reunir poetas de norte a sul, leste a oeste do país, com textos acima da média.

“Indo à Bienal do Livro do Rio, deem uma passada no Pavilhão 4 Verde, Stand R46, que nós da Lura teremos a maior satisfação do mundo em recebê-los”, convidou Roger.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA