Connect with us

News

Como secretário da Educação, Álvaro Pinheiro daria um ótimo poeta

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Verdade seja dita: Álvaro Pinheiro é um péssimo secretário da Educação de Itanhém. Todos sabem disso, até sua irmã, a prefeita Zulma Pinheiro. Trata-se do homem errado no lugar errado.

Ele não tem experiência nem vivência educacional, ainda que esteja ocupando a pasta pela segunda ou terceira vez. Qualquer professor ou professora itanheense está mais apto a ocupar essa secretaria. Mas pensando bem… Álvaro é só um secretário de direito, que manda, assina e desmanda, cabendo à equipe da professora Maria Batista, por quem tenho muito respeito e apreço, tocar as ações efetivas da pasta.

Mas esperar o quê de alguém que já chegou no pedaço fechando escolas e extinguindo projetos importantes, como o AABB Comunidade, e se posicionando contra a eleição direta para diretores que, finalmente, foi extinta com o apoio irrestrito e ordinário dos vereadores Sasdelli Resende, Audrey Correia, Ronaldo Correia e Gelson Pícolli?

Repetindo: como secretário da Educação, Álvaro Pinheiro daria um ótimo poeta. A prova disso está no texto intitulado “Aprendendo a viver”, que acaba de ser publicado no ItanhemFest e mostra a evolução do filho amado de Neco Batista como poeta.

Do poema “Páscoa” para esse “Aprendendo a viver”, o salto qualitativo é evidente.

O Água Preta News apresentou “Aprendendo a viver” ao poeta maior Almir Zarfeg e ele foi taxativo ao dizer que o texto é maduro, coloquial, sem ser vazio e cheio de imagens fortes.

O verso “Formigas mascam restos de cigarra”, por exemplo,  é, segundo Zarfeg, bem original. Mas ele lamentou o título inexpressivo e didático e o excesso de vírgulas.

“O ritmo e a cadência dos versos, por si só, dispensam as vírgulas”, ensinou Zarfeg, que também é jornalista, tem dezenas de títulos publicados e é presidente da Academia Teixeirense de Letras.

Mas chega de elogios por hoje. Se o leitor ainda duvida das boas intenções deste portal de notícia, que tanto combate a incompetência de Álvaro Pinheiro enquanto secretário, leia o poema, em seu texto original, e tire suas próprias conclusões:

APRENDENDO A VIVER 

Precisa ser assim?

Luta sem fim,

Correndo pra todo lado,

Quase sempre preocupado,

Fins de semana estou cansado,

Nem mesmo ligo pra mim.

A vida são instantes,

Marcada por momentos,

Nem todos interessantes.

Houve verões e há lembranças,

Substrato do que se foi,

No ocaso acaba a farra,

Formigas mascam restos de cigarra.

Precisa ser assim?

Luta sem fim,       

Passa o dia, anoiteceu,

E a vida não viveu…

Arrepender-se e lamentar

Não faz o tempo voltar

Se agora não descanso,

Só pensando no sucesso,

Passa o tempo,

Passa a vida,

Passa o trem,

Passa o expresso…

Trabalho nunca acaba,

Tem razão quem quer recesso

Foice em mim é recomeço,

Foi-se o elo com o passado,

Trapos de existência, vida de gado.

Vou pôr fim e vou viver,

É preciso acontecer.