Connect with us

News

Filha chora e faz apelo para mãe com AVC ser transferida de Itanhém para Teixeira de Freitas

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Compartilhe

No final da tarde deste domingo (29), uma filha desesperada e chorando usou as redes sociais para apelar pela transferência para a cidade de Teixeira de Freitas, de sua mãe que, desde a manhã deste sábado (28), está internada no Hospital Maria Moreira Lisboa, em Itanhém, em razão de um acidente vascular cerebral (AVC).

Rafaela Rodrigues Moreira gravou dois vídeos relatando o descaso no atendimento a sua genitora que, segundo ela, está com um lado toda paralisado.

“Eu queria que vocês de Itanhém pudessem dar uma mão pra nós, por favor, dar uma mão, eu peço a população de Itanhém, que vai pra secretaria de Saúde, pede pra aquele povo tomar providência dos exames, da transferência de mãe, é uma vida!”, apelou.

Rafaela é do distrito de Salomão, município de Itanhém, mas, há 7 anos vive em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais. A mãe dela, Mariana Rodrigues Moreira, de 78 anos, esteve lá em setembro do ano passado para, entre outros tratamentos, cuidar da síndrome do túnel do carpo, que é uma neuropatia resultante da compressão de um nervo que fica entre a mão e o antebraço. Esta doença provoca dormência, formigamento e é causada principalmente por lesões relacionadas a esforço repetitivo.

“[Na ocasião] a área da saúde de Itanhém não tomou providências para fazer os exames, por isso ela veio pra cá”, disse Rafaela Moreira quando procurada pela reportagem do Água Preta News.

Em maio desse ano, a mãe de Rafaela retornou para Salomão, onde vive a maioria dos familiares.

“Ela teve o AVC no sábado pela manhã, prestaram os primeiros socorros, mas não tomaram as devidas providências”, explicou Rafaela. ”Uma enfermeira me disse que o médico só solicitaria a transferência de minha mãe se fizesse um exame de tomografia e que depois disso precisaria haver uma autorização do Estado da Bahia”, completou. “Quem tá com AVC não sobrevive tanto para esperar a boa vontade deles”, concluiu.