Connect with us

Entretenimento

Identificados dois tipos de bactérias intestinais relacionadas com a depressão

mm

Publicado

em

[Daniel Mediavilla/ El País] Os micróbios que habitam nosso intestino parecem ter certa influência sobre nossa saúde mental, embora por enquanto esse impacto tenha sido mais estudado em animais que em pessoas. Observou-se, por exemplo, que ao injetar fezes de humanos deprimidos em ratos esses animais desenvolviam sintomas próprios da doença. Em humanos, verificou-se que alterar o ecossistema intestinal pode reduzir estados de ansiedade, mas falta informação sobre o que se pode fazer com doenças mais graves.

Nesta segunda-feira, uma equipe liderada por Jeroen Raes, do Instituto Flamengo de Biotecnologia, da Bélgica, publica uma análise em que relaciona a depressão com a ausência de alguns tipos específicos de bactérias, sugerindo que muitas delas poderiam produzir compostos capazes de afetar nosso estado mental.

Em seu trabalho, publicado na revista Nature Microbiology, os autores relatam como obtiveram informações sobre diagnósticos de depressão e o microbioma recolhido das fezes de 1.054 indivíduos que participam do Projeto Flamengo da Flora Intestinal. Em sua análise, observaram que dois gêneros de bactéria, as Coprococcus e as Dialister, escasseavam entre as pessoas que sofriam de depressão.

“A relação entre o metabolismo dos micróbios intestinais e a saúde mental é um tema polêmico na investigação do microbioma”, afirma Raes em um comunicado de sua instituição. “A noção de que os metabólitos [produzidos por estes micróbios] podem interagir com nosso cérebro, e portanto influenciar o nosso comportamento e nossos sentimentos, é intrigante, mas a comunicação entre o microbioma intestinal e o cérebro já foi explorada principalmente em modelos animais, estando a investigação em humanos muito menos avançada”, acrescenta.

Neste trabalho, os autores também analisaram quais compostos poderiam produzir os micróbios com capacidade para interagir com nosso sistema nervoso, e cruzaram essa informação com as sequências genômicas dos organismos encontrados nas fezes de pessoas com depressão e em indivíduos sãos. Desta maneira, descobriram que a capacidade de alguns microorganismos para produzir DOPAC, um dos metabolitos da dopamina, estava associada com um melhor estado mental.

A equipe de Raes procura há anos relações entre a presença de determinadas bactérias e seus efeitos sobre a saúde. Em estudos anteriores, observaram que quem consumia iogurte regularmente tinha ecossistemas bacterianos intestinais mais diversificados, algo que também se via com o consumo de vinho e café. O contrário ocorria com o consumo de leite integral e com uma alimentação excessiva. Em outra das linhas que interessam no âmbito do estudo do microbioma, começaram a ser encontradas relações entre as doenças do coração e o câncer e a presença ou ausência de algumas bactérias.

Por enquanto, o que se conhece com maior precisão é a relação entre os micróbios que temos dentro de nós, a dieta e a saúde intestinal, mas as substâncias que algumas bactérias produzem podem afetar os níveis de inflamação, e isso influi também sobre o sistema imunológico. De alguma maneira, os micróbios são um mecanismo que conecta diferentes sistemas do organismo. Problemas de ansiedade ou depressão têm sido detectados com especial frequência em pessoas com alterações gastrointestinais, como a síndrome do intestino irritável, e em geral é comum que os transtornos mentais e digestivos ocorram simultaneamente. Em outra linha de investigação que pode ajudar a entender o mal de Parkinson, alguns estudos detectaram que essa doença está relacionada com um maior tempo de trânsito intestinal.

O campo de estudo do microbioma, e sobretudo a capacidade de agir sobre ele para melhorar a saúde, ainda está em seus primórdios. Também nesta segunda-feira, na Nature Biotechnology, uma equipe internacional de cientistas publicou a descoberta de 100 novas espécies de bactérias encontradas no interior de intestinos saudáveis. Como acontece quando se deseja alterar um ecossistema, mexer numa espécie pode ter efeitos indesejados sobre o equilíbrio com as demais, e parece que para fazer isso com eficácia ainda falta entender muita coisa sobre esses habitantes microscópicos que representam aproximadamente 2% do nosso peso.

FOTO: Ovidiu Creanga. Alguns alimentos como o iogurte incrementam a diversidade das bactérias do intestino.

Entretenimento

Aflição de furinhos é um transtorno e pode ter explicação: entenda

mm

Publicado

em

[MSN] Você sente aflição, repulsa, medo e até mesmo desejo de vomitar quando se depara com uma imagem ou objeto cheio de furinhos? Se sua resposta for positiva, saiba que pode sofrer de um transtorno chamado tripofobia.

O que é tripofobia?

Tripofobia é um transtorno caracterizado por uma aversão quase instantânea a imagens com um padrão visível de muitos furinhos ou fendas, preenchidos ou vazios.

O sentimento de rejeição aos buraquinhos é comum e tem explicação científica: faz parte do nosso processo evolutivo.

Um estudo pela Universidade de Kent, no Reino Unido, recrutou 600 pessoas e mostraram a elas 16 imagens com múltiplos furinhos, 8 deles pertencentes a condições reais de saúde, e outros 8 completamente fictícios.

Do total de participantes, apenas metade sentiu repulsa aos furinhos.

As 300 pessoas que não apresentaram sinais de tripofobia ficaram impressionadas apenas com as 8 fotos que mostraram uma doença real, enquanto os indivíduos com tripofobia sentiram aflição por todas as imagens.

De acordo com os cientistas, as sensações de fobia, nojo, medo e pavor em relação aos buraquinhos nada mais são do que um reflexo inato que protege o ser humano contra doenças infecciosas e parasitas.

Muitas destas condições de saúde, explicam os pesquisadores, produzem ferimentos e características semelhantes aos padrões de furinhos, e a fobia seria uma forma natural de tentar permanecer distante e prevenir estas doenças, graças à evolução.

Continuar leitura...

Entretenimento

Redes sociais estão prejudicando saúde mental dos jovens

mm

Publicado

em

[Notícia ao Minuto] As redes sociais estão prejudicando a saúde mental dos jovens, revelou um estudo realizado pela University College London e Imperial College no Reino Unido. A pesquisa contou com a participação de 10 mil pessoas, entre os 13 e os 16 anos, e concluiu que – com a consulta de redes como o Facebook, o Instagram e o Snapchat – o risco de problemas de saúde mental aumenta devido aos seus ‘efeitos secundários’.

Há uma ligação “significativa” entre as crianças que consultam as redes sociais mais de três vezes por dia e aquelas que, mais tarde, revelam sofrer de stress psicológico. De acordo com a Sky News, os pesquisadores concluíram que este problema não é um resultado direto de ‘ir’ às redes mas está sim associado aos efeitos ligados a este hábito.

De qualquer forma, nem todas as pessoas sentem esta questão da mesma forma. O estudo revela que, para as garotas, o uso frequente as redes prejudicou a saúde por levar a um contato com o cyber-bullying, por falta de sono e de quantidade de exercício físico adequado.

Quanto aos rapazes, estes fatores só explicam 12% dos problemas, sendo que neste caso há efeitos diversos.

“Os nossos resultados sugerem que as redes sociais em si não prejudicam, mas o seu uso frequente pode impossibilitar atividades que têm um impacto positivo na saúde mental como dormir e fazer exercício, enquanto aumenta a exposição dos jovens a conteúdos que podem ser perigosos, particularmente o cyber-bullying”, revela Russell Viner, um dos coautores do estudo, em uma nota citada pela CNN.

As conclusões do estudo foram publicadas na The Lancet Child & Adolescent Health.

Continuar leitura...

Entretenimento

Com vocês “Selma”, conto de Toni Ramos, vencedor do Prêmio Febacla de Criação 2018

mm

Publicado

em

“Selma”, de Toni Ramos, levou o 1º lugar na categoria prosa do Prêmio Febacla de Criação em Verso e Prosa 2018.

O certame literário – fruto da parceria da Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes (FEBACLA) com a Academia Teixeirense de Letras (ATL) – segue com as inscrições abertas, até 31 de agosto de 2019, para a 2ª edição. Mais informações aqui.

Nada mais justo que “Selma” levasse o primeiríssimo lugar, porque a história é boa e Toni conduz a narrativa com habilidade. O resultado é um texto leve, sugestivo e gostoso de ler.

Mais uma vez, Toni se atém às relações amorosas com foco nas decepções, fracassos e desencontros, propondo uma análise sutil, detalhista e empática que os leitores, bons ou maus, deveriam apreciar. Os jurados amaram.

Digo isso porque o tom é quase visual, mas não linear ou gratuito, como se assemelhasse a uma crônica de costume ou uma pintura de gênero. Se, por um lado, as personagens são planas, por outro lado, o autor consegue explorar tão bem a emoção delas para entregar tudo, lindinho, à apreciação pública.

No conto em questão, a protagonista é objeto do desejo do cunhado que, para se insinuar, brinda o sobrinho, Juninho, com passeios pelos parques da cidade. O rapaz ainda não se declarou à mãe, mas irá fazê-lo na primeira oportunidade, mesmo que entre ambos exista uma barreira imposta pelo irmão e marido que, no momento, está em viagem…

Decerto que Selma sabe de tudo ou, pelo menos, desconfia das segundas intenções do cunhado apaixonado. Por isso, dá corda ao jogo de insinuações que, ao mesmo tempo, estimula e frustra o pobre rapaz.

A menos que a narrativa seja estendida, como pretende o autor, não saberemos que placar terá esse jogo de flertes. Tomara que haja pelos menos um gol de placa. Um empate decente estaria de bom tamanho. Mas o excesso de vírgulas, como a insegurança moral, sempre entrava. Isso vale também para a indecisão lexical.

Não importa se curta, mediana ou extensa, a narrativa precisa fluir. Fluência, no verso ou na prosa, é condição sine qua non. O protagonista pode ser plano, mas a história precisa descer redondo, como um comercial de cerveja. Eis a moral da história.

O leitor poderá ler o conto, na integra, acessando o Blog do Toni Ramos Gonçalves.

[Almir Zarfeg]

FOTO: Toni Ramos, ganhador do Prêmio Fabacla de Criação 2018.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA