Connect with us

Destaque HOME

Morre, aos 72 anos, a cantora e compositora Beth Carvalho

mm

Publicado

em


[G1] A cantora e compositora Beth Carvalho, conhecida como a Madrinha do Samba e um dos maiores nomes da história do gênero, morreu no Rio, nesta terça-feira (30), aos 72 anos. Ela estava internada no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, Zona Sul da cidade, desde o início de 2019. A causa da morte foi infecção generalizada, informou o hospital, em comunicado.

Em nota, o empresário da artista, Afonso Carvalho, disse que ela morreu às 17h33 desta terça “cercada de amor por seus familiares e amigos”.

Com mais de 50 anos de carreira, dezenas de discos gravados e sucessos como “Andança” e “Coisinha do pai”, Beth Carvalho era considerada madrinha de artistas como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e Jorge Aragão – daí o apelido.

Já fazia bastante tempo que a cantora tinha um problema de coluna. Em 2009, chegou a cancelar sua apresentação no show de réveillon, na Praia de Copacabana, por causa de fortes dores. Em 2012, submeteu-se a uma cirurgia na coluna.

No ano seguinte, foi homenageada pela escola de samba Acadêmicos do Tatuapé, no carnaval de São Paulo, mas não participou do desfile por motivos de saúde. Lu Carvalho, sobrinha de Beth, foi quem representou a artista na ocasião.

Show histórico

Em 2018, com a mobilidade cada vez mais reduzida pelos efeitos do problema na coluna, Beth fez um show histórico. Ao lado do grupo fundo de Quintal, mostrou sua força ao cantar deitada seus sucessos no show Beth Carvalho encontra Fundo de Quintal – 40 anos de pé no chão.

Beth Carvalho canta deitada em show no Rio de Janeiro — Foto: Mauro Ferreira

Beth Carvalho canta deitada em show no Rio de Janeiro — Foto: Mauro Ferreira

Ao longo de sua internação no início de 2019, Beth teve de reduzir a quantidade de visitas. A informação foi compartilhada por sua filha, Luana, após um vídeo mostrar a cantora debilitada cantando deitada na cama do hospital.

Beth Carvalho se apresenta deitada em show de 40 anos de clássico do samba

Beth Carvalho se apresenta deitada em show de 40 anos de clássico do samba

Vida e obra

Beth Carvalho no Fantástico — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho no Fantástico — Foto: Acervo TV Globo

Elizabeth Santos Leal de Carvalho nasceu no Rio, em 5 de maio de 1946. O site oficial da artista informa que o contato com a música foi incentivado pela família, ainda na infância.

Aos 8 anos, surgiu o gosto pela dança – na mesma época, ganhou dos avós o primeiro violão. Após a prisão do pai no início da ditadura, em 1964, Beth passou a dar aulas de música.

No ano seguinte, gravou o seu primeiro compacto simples, com a música “Por quem morreu de amor”, de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli. Seu grande sucesso, “Andança”, é o título de seu primeiro LP, lançado em 1969.

Beth Carvalho canta “Andança”

Beth Carvalho canta

Beth participou de quase todos os festivais de música da época. Em 1968, conquistou a terceira posição no Festival Internacional da Canção (FIC), justamente com “Andança”.

A partir de 1973, passou a lançar um disco por ano e emplacou vários sucessos como “1.800 Colinas”, “Saco de Feijão”, “Olho por Olho”, “Coisinha do Pai”, “Firme e Forte” e “Vou Festejar”.

Também gravou composições de Cartola, como “As rosas não falam”, e “Folhas Secas”, de Nelson Cavaquinho.

Beth Carvalho e Cartola,  em 'Brasil 78' — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho e Cartola, em ‘Brasil 78’ — Foto: Acervo TV Globo

‘Coisinha do pai’ tocada em Marte

A cantora era apaixonada pela Mangueira, sua escola de samba do coração, e pelo bloco Cacique de Ramos, onde conheceu muitos de seus apadrinhados.

Beth Carvalho e Gilberto Gil durante desfile da Mangueira na Marquês de Sapucaí em 1998 — Foto: Rosane Marinho/Folhapress/Arquivo

Beth Carvalho e Gilberto Gil durante desfile da Mangueira na Marquês de Sapucaí em 1998 — Foto: Rosane Marinho/Folhapress/Arquivo

“Beth é inquieta. Não espera que as coisas lhe cheguem, vai mesmo buscar. Pagodeira, ela conhece a fertilidade dos compositores do povo e, mais do que isso, conhece os lugares onde estão, onde vivem, onde cantam, como cantam e como tocam”, descreve a biografia em seu site oficial.

Em 1979, Beth se casou com o jogador de futebol Edson de Souza Barbosa e, dois anos depois, deu à luz sua única filha, Luana Carvalho.

A cantora já fez inúmeras apresentações em cidades ao redor do mundo, subiu ao palco do Carnegie Hall, em Nova York, e até teve sua música representada no espaço sideral. Em 1997, “Coisinha do pai” foi programada pela engenheira brasileira da Nasa, Jacqueline Lyra, para “despertar” um robô em Marte.

Beth Carvalho canta “Coisinha do Pai”

Beth Carvalho canta

Beth Carvalho canta “Coisinha do Pai”

Em junho de 2002, recebeu das mãos de Dona Zica, viúva de Cartola, o Troféu Eletrobrás de Música Popular Brasileira, no Teatro Rival do Rio de Janeiro. Seu 26º disco, “Pagode de mesa 2” (2000), concorreu ao Grammy Latino na categoria melhor disco de samba.

Em 2004, ela gravou seu primeiro DVD, “Beth Carvalho, a Madrinha do Samba”, que lhe rendeu um DVD de Platina. O CD, que teve lançamento simultâneo ao DVD, recebeu Disco de Ouro e foi também indicado ao Grammy Latino de 2005, na categoria “Melhor Álbum de Samba”.

Beth Carvalho foi homenageada na edição 2009 do Grammy Latino, em Las Vegas. Na ocasião, a cantora foi a primeira sambista a receber um dos reconhecimentos mais importantes da cerimônia, o prêmio Lifetime Achievement Awards.

Neném da Cuíca e Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Neném da Cuíca e Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Alcione, Elizeth Cardoso e Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Alcione, Elizeth Cardoso e Beth Carvalho no programa Alerta Geral — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho em 'Tem Criança no Samba', de 1984 — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho em ‘Tem Criança no Samba’, de 1984 — Foto: Acervo TV Globo

A cantora Beth Carvalho em sua casa em 1982 — Foto: João Pires/Estadão Conteúdo/Arquivo

A cantora Beth Carvalho em sua casa em 1982 — Foto: João Pires/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho posa para foto em 1987 — Foto: Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho posa para foto em 1987 — Foto: Estadão Conteúdo/Arquivo

Chico Buarque, Beth Carvalho e Caetano Veloso — Foto: Acervo TV Globo

Chico Buarque, Beth Carvalho e Caetano Veloso — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho, em apresentação na casa de shows Metropolitan, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Foto de outubro de 2015 — Foto: Glaucon Fernandes/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho, em apresentação na casa de shows Metropolitan, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Foto de outubro de 2015 — Foto: Glaucon Fernandes/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho durante evento realizado no Andaraí, na zona norte do Rio de Janeiro, em 2007 — Foto: Marcos D'Paula/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho durante evento realizado no Andaraí, na zona norte do Rio de Janeiro, em 2007 — Foto: Marcos D’Paula/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho — Foto: Acervo TV Globo

Beth Carvalho — Foto: Acervo TV Globo

A cantora Beth Carvalho e o sambista Tobias durante desfile da escola de samba Vai-Vai, campeã do Carnaval de São Paulo em 1996 — Foto: Silvio Ribeiro/Estadão Conteúdo/Arquivo

A cantora Beth Carvalho e o sambista Tobias durante desfile da escola de samba Vai-Vai, campeã do Carnaval de São Paulo em 1996 — Foto: Silvio Ribeiro/Estadão Conteúdo/Arquivo

A cantora e sambista Beth Carvalho se apresenta em show de comemoração do aniversário da cidade de São Paulo, no Vale do Anhangabaú em 2008 — Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo/Arquivo

A cantora e sambista Beth Carvalho se apresenta em show de comemoração do aniversário da cidade de São Paulo, no Vale do Anhangabaú em 2008 — Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo/Arquivo

Beth Carvalho — Foto: Washington Possato / Divulgação

Beth Carvalho — Foto: Washington Possato / Divulgação

Beth Carvalho no camarim do show em homenagem a Nelson Cavaquinho, no HSBC, em 2012 — Foto: Isadora Brant/Folhapress/Arquivo

Beth Carvalho no camarim do show em homenagem a Nelson Cavaquinho, no HSBC, em 2012 — Foto: Isadora Brant/Folhapress/Arquivo

Destaque HOME

Dia do Escritor: Tudo sobre o lançamento de “O voo de Marita”, da professora e escritora Enelita Freitas

mm

Publicado

em

Nada mais justo que celebrar o Dia do Escritor, comemorado nesta quinta-feira (25), informando os leitores deste portal sobre o lançamento do livro mais novo da professora e escritora Enelita Freitas, “O voo de Marita”, que aconteceu recentemente na sede da Academia Conquistense de Letras, em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano.

A sessão de autógrafos foi prestigiada pela presidente daquela instituição literocultural, Ervarlinda Jardim, alguns acadêmicos, familiares e admiradores da autora.  

“O voo de Marita” dá seguimento à história anterior, “Sonhos de Marita”, que Enelita publicou em 2015 e que teve grande aceitação do público infantil em Teixeira de Freitas, região e até no estrangeiro. O livro também foi autografado no Canadá, onde uma das filhas da autora vive há anos.

“A professora Enelita, que já possuía uma produção relevante voltada para a análise literária e para a cultura popular, agora brinda a todos com suas criações infantis”, informou Almir Zarfeg, ex-aluno de Enelita e presidente da Academia Teixeirense de Letras (ATL).

Após Vitória da Conquista, o novo livro vai ganhar sessões de autógrafos nas cidades de Teixeira de Freitas, onde a autora reside, e Itanhém, onde viveu por mais de duas décadas.

Zarfeg acrescentou à redação do portal que Enelita Freitas será homenageada, juntamente com outros autores com livros publicados em 2019, na sessão solene final deste ano da ATL.

“Não vejo a hora de receber meu exemplar autografado de Marita e, desde já, torço pelo sucesso desses voos que vão levar personagem e criadora muito longe”, concluiu Zarfeg. 

Ouça Zarfeg falando sobre o livro “Rituais do boi nos espaços da oralidade e da escrita”, também de autoria de Enelita Freitas.

Lançamento teve até performance de “Marita” de verdade
Autora sendo homenageada pelo marido e filho

Foto de Capa: Enelita Freitas autografando “O voo de Marita”

Continuar leitura...

Destaque HOME

O adeus a Lecy Rodrigues Sobrinho, um pioneiro filho de Itanhém

mm

Publicado

em

Os habitantes de Itanhém e Medeiros Neto se despediram no final da manhã deste sábado (20/07), de um dos seus filhos mais queridos e integrante de uma das famílias mais tradicionais dos dois municípios. O corpo do produtor rural Lecy Rodrigues Sobrinho, foi velado durante toda noite e manhã deste último sábado (20), no Salão Paroquial da Igreja São João Batista, na Vila Mutum, povoado do município de Medeiros Neto, adjacente da sua propriedade rural, onde residia. E no final da manhã foi sepultado no Cemitério da Consolação, na própria comunidade da Vila Mutum.

Lecy Rodrigues Sobrinho faleceu aos 80 anos de idade e ao lado das suas duas filhas e da esposa no início da noite da quinta-feira do último dia 18 de julho, no Hospital de Clínicas Municipal José Alencar, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, onde fazia tratamento há 1 ano, após falência múltipla dos órgãos. O corpo foi transladado de São Paulo para o interior do município de Medeiros Neto, onde foi velado e sepultado.

Lecy Sobrinho residia no Povoado do Mutum desde jovem. A propriedade rural da família é traçada ao meio pela linha divisória do Córrego do Mutum, onde o lado norte pertence ao município de Medeiros Neto e o lado sul ao território de Itanhém. Nascido em Itanhém e filho de uma das maiores famílias daquela região, Lecy era o mais jovem dentre os irmãos homens. Depois da sua irmã Dalva, ele é o segundo a falecer dentre os 11 irmãos. O pai Otacílio Rodrigues Sobrinho faleceu ainda no início da década de 80, já sua mãe Ana Augusta dos Santos, a “Madinha Ana”, a matriarca da família, faleceu em casa aos 108 anos, no último dia 20 de fevereiro de 2019, em Itanhém.

Durante o velório de Lecy Rodrigues Sobrinho, no Salão Paroquial da Igreja São João Batista, em Vila Mutum, por lá passaram centenas e centenas de pessoas, entre amigos, conhecidos e parentes. Todos fizeram questão de lembrar a importância da figura de um homem de coração gigante, homem dócil, chefe de família exemplar, homem de grande sabedoria rural, desapegado a bens materiais, impulsionador do desenvolvimento da região e que só semeou amor aos seus semelhantes. Durante o seu sepultamento, centenas de pessoas acompanharam o cortejo e no Cemitério da Consolação, em Vila Mutum, foi sepultado sob as mais belas homenagens, onde todos puderam dá-lhe o seu último Adeus.

O pioneiro produtor rural Lecy Rodrigues Sobrinho, aos 80 anos, além de um legado de amor e de ensinamentos, deixou viúva a Dona Geralda Silva Rodrigues após 48 anos de uma feliz união e três filhos: O comerciário Maurilândio Rodrigues Sobrinho “Lande”, a servidora pública Gercilândia Rodrigues Lima “Sizinha” e a gestora de recursos humanos Fabiene Rodrigues Sobrinho “Fabinha”, além de um belo casal de netos adolescentes: Luiz Felipe e Lorena Rodrigues Lima.

A equipe do portal de notícias Teixeira Hoje, ciente da importância do homem que foi o Senhor Lecy Rodrigues Sobrinho para as regiões de Itanhém e Medeiros Neto e mesmo sabendo que o descanso é o melhor dos remédios, mas que sua ausência deixará uma falta enorme para os amigos e uma saudade gigante para a família, celebramos aqui, a imortalidade desta figura fascinante que viveu só para encantar as pessoas com seu jeito manso, dócil e acolhedor. 
[Teixeira Hoje]

Continuar leitura...

Destaque HOME

Bandidos encapuzados explodem caixas eletrônicos em Jucuruçu

mm

Publicado

em

Moradores da pequena cidade de Jucuruçu, no extremo sul da Bahia, na divisa com Minas Gerais viveram uma madrugada de pânico nesta quarta-feira (17).

De acordo com o site Show Som Rádio Web a agência dos Correios e os caixas eletrônicos do Bradesco e Banco do Brasil foram explodidos por homens encapuzados.

Ainda de acordo com o site bandidos davam cobertura à ação do bando em uma rua de acesso ao local onde estavam os caixas eletrônicos e faziam disparos de arma de fogo para o alto.

Os assaltantes teriam levado um dos caixas eletrônicos e teriam fugido com uma Hilux de cor branca, sentido a cidade de Itamaraju, pela BA-284.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA