Connect with us

Sem categoria

Obrigada a entender que ‘a praça é do povo’ prefeita dá prosseguimento ao projeto de Bentivi de reconstrução da Praça da Liberdade

mm

Publicado

em

Muita polêmica se criou em torno da reconstrução da Praça da Liberdade, no centro da cidade de Itanhém. Idealizada pelo ex-prefeito Milton Ferreira Guimarães, o Bentivi (PSB), no último ano de seus dois mandatos consecutivos (2009 a 2016), a reestruturação daquele logradouro rendeu críticas para o político, principalmente porque, no mandato seguinte, a população elegeu, com mais de 52% dos votos válidos, a sua rival Zulma Pinheiro (MDB).

As críticas feitas a Bentivi estão mais relacionadas às questões bairristas do povo itanheense, pelo fato daquela praça histórica ter se transformado em um cenário sombrio de junho de 2016 até os dias atuais. Portanto, a iniciativa do ex-prefeito de tornar a Praça da Liberdade um espaço moderno e acessível a todos é, apesar de todos os transtornos, elogiada pela maioria da população.

Desde 2016 o cenário da histórica Praça da Liberdade é sombrio.

Mas, por que Bentivi não conseguiu terminar o projeto de reconstrução da Praça da Liberdade? E, por qual razão a atual prefeita, Zulma Pinheiro, de imediato, não prosseguiu com o projeto de Bentivi?

Itanhém foi emancipado em 1958. A Praça da Liberdade só foi construída na segunda gestão, que durou de 1962 a 1966, no mandato do prefeito João Farias Filho, o Jota Pires. De lá pra cá a praça foi por diversas vezes reformada e teve a sua estrutura inicial quase que totalmente alterada.

Jota Pires é considerado por muitos, principalmente pelos mais antigos, o JK de Itanhém, em referência a Juscelino Kubitschek, que ocupou a Presidência da República entre 1956 e 1961, adotando estratégias e políticas que tinham como objetivo central expandir a economia brasileira. 

Mas coube ao primeiro gestor de Itanhém, Sady Teixeira Lisboa, avô do atual vice-prefeito André Lisboa, preparar toda a estrutura e legalização do município para Jota Pires, que é considerado um dos bons políticos da terra de Água Preta, construir as primeiras obras.

FOTO/arquivo de Airam Ribeiro. Praça da Liberdade.

Além da Praça da Liberdade, entre outras, Jota Pires construiu o Mercado Municipal, na Praça Otávio Mangabeira, onde hoje está instalado o Terminal Rodoviário e o antigo Colégio São Bernardo. Além disso, ele organizou na cidade algumas questões de ordem social, muito necessárias naquela ocasião, como a transferência da zona de baixo meretrício, naquela época conhecida como “Cheira Faca”, da Rua Belo Horizonte para a Rua Nova Venécia, ambos os logradouros localizados no Bairro São João.

Não são poucos os itanheenses da época de infância e adolescência, que têm histórias para contar da Praça da Liberdade onde, antes da emancipação do município, funcionava o Mercado Municipal. Desde os primeiros casamentos que surgiram a partir de namoros iniciados na praça, aos gols do fantástico exibidos naquela época no principal programa dominical de jornalismo da Globo, até os dias atuais, quando grupos de amigos se reúnem nos finais de semana para se divertir.

FOTO/arquivo de Airam Ribeiro: Antes da Praça da Liberdade no local funcionava o Mercado Municipal, instalado numa espécie de barracão.

Foi através de uma emenda do deputado federal Mário Negromonte, que Bentivi conseguiu a verba para reconstruir a Praça da Liberdade. Antes, porém, o então prefeito determinou a realização de audiência pública com moradores da praça e de ruas próximas, para o acolhimento de sugestões para o seu projeto. Foi a partir dessas sugestões que se definiu que a Praça da Liberdade deveria ser moderna e acessível a toda a população, logo, com pavimentação em blocos especiais, instalações elétricas e hidrossanitárias, paisagismo e até quiosque e pergolado, uma espécie de abrigo em jardins, feito de duas séries de colunas paralelas.

O projeto é de 2014, mas, apesar das insistentes cobranças de Bentivi e de sua equipe a liberação dos valores demorou de acontecer, em razão da situação política e econômica porque passava o país, cuja crise, como se sabe, culminou com o impeachment da presidente Dilma Rousself (PT).

Se tudo ocorresse dentro da normalidade a obra seria concluída entre 90 e 120 dias. Os valores iniciais foram creditados na conta da prefeitura no dia 23 de março de 2016, mas, naturalmente, demandaria alguns meses para todo o processo licitatório ficar pronto, além da necessidade de reuniões e visitas ao local por parte dos responsáveis pela execução da obra.

Acontece que, passado todo esse tempo de espera, quando foi dada a autorização para iniciar os trabalhos, ocorreram vários contratempos, como longo período de chuva e o lamentável acidente automobilístico com o responsável pela obra, inclusive, com vítima fatal, além do atraso de pagamento por parte Caixa Econômica Federal de serviços que já haviam sido realizados.

Assim, sem nada ter podido fazer, o ex-prefeito, já depois das eleições municipais, foi informado pela empresa que realizava a obra que os serviços seriam paralisados até que a nova gestão reiniciasse a reconstrução.

O valor total da obra é de R$ 250 mil, já incluso a contrapartida do município, devidamente acertada pelo ex-prefeito. Desse total o então prefeito Bentivi recebeu R$ 121 mil e 875, no dia 23 de março de 2016 e, desde esta época, esse valor está na conta da prefeitura. Os outros 50% só serão liberados pela Caixa Econômica quando Zulma Pinheiro recomeçar as obras.

Então, porque a nova prefeita não prosseguiu de imediato, com o projeto de Bentivi?

Não há outra explicação se não picuinha política, associada a uma boa dose de maldade, como bem sabe fazer o grupo político dos Batistas, agora chamado de Pinheiros, em razão do sobrenome da prefeita e de seus irmãos que mandam na administração municipal. Essa mesma picuinha pode muito bem explicar o fato de, até o momento, Zulma Pinheiro não ter dado início às obras que os deputados do Partido Progressista Cláudio Cajado, Ronaldo Carletto e Robinho conseguiram, através de emendas impositivas, para o município de Itanhém.

Desde o início da semana alguns materiais vêm sendo colocados no local, o que parece sinalizar que, depois das intensas críticas na imprensa e nas redes sociais, inclusive com a entrega de um abaixo-assinado às autoridades responsáveis por fiscalizar o Executivo, a prefeita foi obrigada a entender que “a praça é do povo como o céu é do condor”.


FOTO/arquivo de Airam Ribeiro. Praça da Liberdade.

FOTO/arquivo de Airam Ribeiro. Praça da Liberdade.

FOTO/arquivo de Airam Ribeiro. Praça da Liberdade.

Sem categoria

Autoritarismo e atraso estão de volta à presidência da Câmara de Itanhém

mm

Publicado

em

[Edelvânio Pinheiro] Com os últimos acontecimentos, não resta dúvida de que a Câmara de Vereadores de Itanhém se tornou palco de dois velhos atores conhecidos das pessoas que não têm memória curta: o autoritarismo e o atraso.

Em maior ou menor dimensão, esses dois personagens famigerados vivem dando as caras no Legislativo itanheense. Claro que isso vale também para o Executivo Municipal, mas, no momento, vou me restringir à chamada Casa do povo, se é que assim pode denominada depois de suas portas terem sido fechadas durante a realização da reunião da última segunda-feira (22).

Para ilustrar, citarei dois momentos diversos e bem demarcados no tempo, nos quais os atores em questão tiveram seus papéis bem valorizados. Estou me referindo aos ex-presidentes Newton Pinheiro, Madson Medeiros e Robinho Caires.

Newton Pinheiro, irmão da prefeita Zulma Pinheiro e comandante de duas secretarias, da Administração e Finanças e da Infraestrutura, na época em que o pai dele, Manoel Batista dos Santos, o Neco, era o prefeito, descontou valores dos salários de Alfim Alves do Nascimento e Amélio Págio, ambos do PT, porque os vereadores rejeitaram assinar atas fantasmas. Newton se manteve presidente do Legislativo durante o quadriênio que o pai esteve no Executivo, de 2001 a 2004, tendo para isso alterado o regimento interno da Câmara, com o apoio, claro, dos vereadores que comiam na mão dos Batistas.

Antes disso, Madson Medeiros, durante os anos 90, mostrou como se administra o Poder Legislativo com mãos de ferro, tendo chegado ao cúmulo de proibir a presença da imprensa durante as sessões ordinárias.

O saudoso Robinho Caires, nos anos 2000, chegou a expulsar um vereador do plenário da Casa legislativa porque, supostamente, teria lhe faltado com o respeito. O vereador em questão tem nome e sobrenome: Delzivan da Silva Gomes.

Em solidariedade ao colega, três vereadores abandonaram aquela sessão, Valdemar Oliveira, o Dema, Luiz Marcos Vilas Boas, o Marquinhos, e Deolisano José de Sousa, o Deó e tiveram seus vencimentos reduzidos.

Não há dúvidas de que esses presidentes excederam à frente da presidência e o  resultado do excesso ficou evidente na vitória do autoritarismo sobre a democracia e da valorização do atraso sobre o avanço. Mas se engana quem pensa que essa prática nefasta ficou esquecida no passado. Muito pelo contrário. Infelizmente, ela está de volta ao cenário legislativo atual e o responsável pela volta da dupla terrível ao estrelato é conhecido de todos: Sasdelli Welber Resende e Santos – ou Sasdelli Resende Afonso, como ele costuma se apresentar.

Ele assumiu a presidência da Câmara há pouco mais de três meses, mas já espalhou a poeira do autoritarismo e do atraso. Primeiro, liderou a aprovação de uma lei que proíbe uma conquista marcante da classe educadora, a eleição para diretores das escolas municipais. Segundo, ele requisitou força policial para expulsar um cidadão mais exaltado de recente reunião. Depois, sentindo-se o rei da cocada preta, mandou descontar R$ 1 mil dos subsídios de três vereadores da oposição que ousaram abandonar a sessão ordinária (bota ordinária nisso!) em protesto contra a tal lei.

Sasdelli entra para a história legislativa de Itanhém como um presidente que, no auge da sua arrogância e sustentado por um regimento de mesmo quilate, manda retirar parte dos subsídios de seus pares como forma de lhes calar a voz ou intimidá-los.

Esse golpe ficará impune? Com a palavra os vereadores humilhados, André Correia, Caboquinho e, lá de Ibirajá, Marquinhos, a quem o pai, desde pequeno ensinou ‘a respeitar as pessoas, mas nunca levar desaforo pra casa’.

Como Sasdelli é comensal dos Pinheiros, o clima de terror deve aumentar nos próximos meses, porque o pequeno jacaré está sendo bem cevado à base de pitadas de poder que, ao chegar à cabeça, deixa o indivíduo arrogante ou atrasado. Ou as duas coisas juntas.

Qual será a próxima afronta? Nomear parte dos diretores da rede municipal de ensino ou amordaçar os vereadores da oposição? Ou as duas coisas juntas?

Continuar leitura...

Sem categoria

APLB cita Papa para explicar que, em protesto, professores não vão participar de evento que tem apoio da prefeitura

mm

Publicado

em

A APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia) citou o Papa João Paulo II durante uma nota de esclarecimento que fez à população de Itanhém, nesta quarta-feira (24), sobre a não participação dos professores na caminhada pela paz. O evento, que está agendado para a próxima sexta-feira (26), é organizada pelo MovPaz (Movimento Internacional Pela Paz e Não-Violência), com o apoio da prefeitura e da secretaria da Educação.

“A paz exige quatro condições essenciais: verdade, justiça, amor e liberdade”, diz a nota, citando o Papa e acrescentando que ‘na atual conjuntura do município estas condições não estão sendo respeitadas’.

De acordo com a nota da APLB a decisão de não participar da caminhada é uma forma de protestar contra a aprovação da lei 207/2019, que anula o direito da comunidade escolar de escolher seus dirigentes.

A lei foi aprovada na reunião da Câmara Municipal do último dia 15, pelos vereadores Sasdelli Resende (PSDB), Ronaldo Correia (PC do B), Audrey Correia (PR) e Gelson Picolli (PSDB). Whindson Moreira Mendes, o Nem Mendes (PP), e Valdemar Oliveira, o Dema (PT) não foram à reunião, mas disseram posteriormente que defendem a eleição de diretores. Já André Correia (PHS), Deilton Porto, o Caboquinho (DEM) e Marquinhos, em protesto, abandonaram a sessão antes de iniciar a votação. No dia seguinte, numa velocidade supersônica, a prefeita Zulma Pinheiro sancionou a lei.

No decorrer da nota a APLB diz que os professores foram lesados em seus direitos.

“Fomos privados do pleno exercício da democracia, nos sentimos lesados em nosso direito e, desse modo, queremos chamar a atenção de toda a comunidade para a importância que temos na sociedade”, complementa a nota, enfatizando que ‘a paz não se faz com discursos agressivos e acusações’.

Por fim, a APLB reafirmou que é ‘a favor da paz, mas que não pode abrir mão de seus direitos’.

FOTO: arquivo

Continuar leitura...

Sem categoria

Vereadores pagam caro por abandonar reunião em defesa dos professores: R$ 1 mil

mm

Publicado

em

Os vereadores André Correia (PHS), Deilton Porto, o Caboquinho (DEM) e Luiz Marcos Vilas Boas, o Marquinhos (PSB), pagaram caro por abandonar a reunião da Câmara de Itanhém da segunda-feira passada (15), em defesa dos professores. O presidente Sasdelli Resende (PSDB) determinou o desconto de R$ 1 mil no recebimento de cada vereador no pagamento do mês de abril.

Havia um projeto de lei da prefeita Zulma Pinheiro (MDB) para acabar com a eleição de diretores nas escolas da rede municipal de ensino. Acontece que os três vereadores só tomaram conhecimento do projeto na hora da sessão. De igual forma, Whindson Moreira Mendes, o Nem Mendes (PP), e Valdemar Oliveira, o Dema (PT), que não foram à reunião, posteriormente, explicaram que também não sabiam do projeto e garantiram que, se lá estivessem, seriam a favor da eleição de diretores.

Embora que a pauta da sessão deve ser fixada no mural do Legislativo, pelo visto, somente quem votou a favor tinha conhecimento de que o projeto entraria em pauta naquele dia. Além do presidente, foram favoráveis em acabar com a democracia na escolha de dirigentes escolares os vereadores Ronaldo Correia (PC do B), Audrey Correia (PR) e Gelson Picolli (PSDB).

Agora, os vereadores que abandonaram à sessão em defesa dos professores buscam, na Justiça, a anulação da reunião. Informações não confirmadas também asseguram que a APLB
(Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia) move ação contra aquela votação.

Os quatro vereadores que votaram a favor para acabar com a eleição de diretores vem sendo duramente criticados nas redes sociais pela maioria da população.

Um vídeo foi gravado pelos professores ironizando Audrey Correia que, quando estava na oposição, no quadro “O Brasil que eu quero”, exibido na ocasião no Jornal Nacional, da Rede Globo, defendeu uma maior valorização dos professores e, agora, na situação, foi implacável na defesa do projeto da prefeita Zulma Pinheiro para acabar com a eleição de dirigentes escolares.

Na sessão da última segunda-feira (22), a APLB, fez uso da tribuna e repudiou a forma como a prefeita e os quatro vereadores acabaram com um direito que já durava 10 anos, conquistado pelos professores na primeira gestão do ex-prefeito Milton Ferreira Guimarães, o Bentivi (PSB).

O desprezo demonstrado pela prefeita e pelos vereadores Audrey, Sasdelli, Gelson e Ronaldo aos trabalhadores da educação iniciou tão logo quando começo a atual administração, com a declaração do secretário Álvaro Pinheiro, que é irmão da prefeita, de que não era a favor da eleição direta para diretores. Ao que tudo indica a prefeita e o irmão, em conluio com o presidente da Câmara, apenas aguardavam o momento certo para aprovar a “lei da mordaça”, como vem sendo chamada pelos educadores.

Os professores e os vereadores que defendem a democracia e a comunidade em geral não devem admitir, sob nenhuma hipótese, o retrocesso, ainda que sejam penalizados sob a ótica de um regimento que tem a cara dos atuais políticos que ditam as regras no Executivo e no Legislativo itanheense.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA