Connect with us

Destaque HOME

Os desafios que o novo prefeito de Itanhém vai enfrentar pós-pandemia

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Compartilhe

 

Eleito com 3.481 votos de diferença sobre a principal adversária, Mildson Medeiros (PSD) terá uma série de desafios para enfrentar no município de Itanhém, principalmente os gerados pela pandemia do coronavírus, que escancarou ainda mais os problemas de saúde, sociais e econômicos.

Nem é necessário ser cientista político para entender que entre as dificuldades mais evidentes para 2021, estão a queda de arrecadação dos cofres públicos – tanto ilustrado por Álvaro Pinheiro durante a gestão de sua irmã – e o desafio da retomada da economia local.

Mildson ainda vai ter que lidar com o alto índice de desemprego, endividamento da população e o fechamento de dezenas de estabelecimentos comerciais por causa da crise no comércio, provocada pela gestão de Zulma Pinheiro (MDB) e seus irmãos.

O novo prefeito precisa fazer um sério planejamento para o enfrentamento da pandemia e um rigoroso controle dos casos de covid-19 e, claro, dar atenção aos atendimentos não urgentes e cirurgias eletivas, que praticamente foram paralisados na atual gestão.

Outra questão ainda prevista na Saúde é a vacinação contra a covid-19 e a necessidade de ampliar as campanhas atuais.  Para tanto, é necessário que Mildson Medeiros tenha habilidade política junto aos deputados da esfera federal.

O setor da Educação será outro grande desafio para a nova gestão em Itanhém. Com aulas presenciais paralisadas por quase um ano inteiro, no próximo ano o ensino deverá ser prioridade.

A Infraestrutura requer também uma atenção especial, principalmente com as estradas, que no segundo semestre já começam a apresentar problemas, em razão das constantes chuvas. Em Salvador, recentemente, Mildson esteve na secretaria da Infraestrutura do Estado, onde buscou apoio do governador Rui Costa neste sentido. Na ocasião ele cobrou o asfaltamento do trecho que liga a BA-290 ao distrito de Ibirajá.

Como se vê, nesse primeiro ano de gestão o novo prefeito terá que abdicar de fazer qualquer novo empreendimento para buscar gerir o município, visando manter um mínimo de qualidade de vida da população, atendendo, neste primeiro momento, as situações emergenciais.