Connect with us

News

Reunião da Câmara que professores foram defender a democracia nas escolas teve até reforço policial e leitura de regimento

Edelvânio Pinheiro

Publicado

em

Compartilhe

A reunião desta segunda-feira (22) da Câmara Municipal de Itanhém teve de tudo, até a presença da secretária da Saúde, Renilda Chapéu, que não tem o hábito de ir às sessões legislativas.

Primeiro, no início da noite, o ItanhemFest, um site ‘chapa branca’, questionou a reportagem “APLB faz convite, mas reunião da Câmara de Itanhém pode não dar quórum”, publicada pelo Água Preta News. Lamentavelmente o portal ignorou a expressão “pode não dar quórum” e demonstrou, de forma inequívoca, desconhecer por completo que o bom jornalismo é aquele que analisa os fatos por todas as óticas possíveis. Também, demonstrou desconhecer o que venha a ser, numa reportagem, o emprego de um verbo no futuro do pretérito do modo indicativo, isso pra não dizer outras questões da construção textual, como o emprego do advérbio ‘provavelmente’ que, na matéria, indica dúvida e incerteza, algo que pode ou não acontecer. 

Ao contrário do que foi noticiado pelo Água Preta News, os nove vereadores compareceram. FOTO: Elizeu Binas.

Estranhamente o presidente Sasdelli Resende (PSDB), no início da sessão, determinou a leitura dos artigos do regimento da Câmara que descreve como o público deve se comportar nas dependências do Legislativo durante as sessões. Mais estranho ainda foi o comentário feito pelo assessor parlamentar Gedaias Caetano, que foi incumbido de ler o regimento.

“Então, o regimento diz a respeito como o cidadão deve se comportar durante a sessão”, disse o assessor, acrescentando. “A casa aqui é do povo, mas o povo tem que ser ordeiro no comportamento e agir de acordo com o regimento”.

A determinação do presidente foi interpretada como uma forma de intimidar manifestações em favor dos professores, que foram à Câmara Municipal fazer uso da tribuna contra a lei, aprovada na semana passada, pelos vereadores Sasdelli Resende, Audrey Correia, Ronaldo Correia e Gelson Picoli e sancionada pela prefeita Zulma Pinheiro (MDB).

A segurança policial também foi reforçada para receber os professores. Duas viaturas com sete policiais foram deslocadas para a sede da Câmara.

Sasdelli Resende parece ter sido menosprezado pela representante da APLB (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia). Comumente, nestas ocasiões, o orador cumprimenta os vereadores em nome do presidente. Desta vez, entretanto, a vice-coordenadora da APLB, Aurileide Alves da Silva, cumprimentou os nove vereadores em nome de André Correia, que é o maior entusiasta em defesa da causa dos professores.

O coordenador, Marcos Antônio Pires dos Santos não se fez presente à sessão em razão de viagem para tratamento de saúde de sua filha. Mesmo assim, o presidente Sasdelli Resende, nefelibático, o cumprimentou como se ali ele estivesse.

A secretária da Saúde, que não tem o hábito de frequentar as reuniões da Câmara, estranhamente se fez presente.FOTO: Elizeu Binas.

Aparentando estar nervoso na condução dos trabalhos legislativos, Sasdelli expulsou Willerman Gundin, um cidadão de família tradicional e bastante conhecido na cidade pelo pseudônimo de Manzinho.  O presidente alegou que ele estava incomodando os trabalhos do Legislativo, mas não tomou a mesma postura quando um jovem do distrito de Ibirajá, provável apoiador do grupo político da prefeita Zulma Pinheiro, causou transtornos na sessão ao ponto de ter sido advertido pelo presidente.

Nossa reportagem está acompanhando a sessão e durante esta semana manteremos nossos leitores informados sobre tudo o que aconteceu na Câmara de Itanhém, no dia em que os professores estiveram cara a cara com os vereadores que, juntamente com a prefeita e seu irmão secretário, Álvaro Pinheiro, acabaram com a eleição de diretores escolares no município.

[Por Edelvânio Pinheiro. Colaborou Elizeu Binas]