Connect with us

Sem categoria

Zarfeg discorre sobre o livro “Nós e outros poemas”, de Rodrigo Starling

mm

Publicado

em

[Almir Zarfeg] Só recentemente tomei conhecimento da existência do poeta e filósofo Rodrigo Starling e, por consequência, de parte de sua produção.

Soube dele primeiro pelas redes sociais e, depois, nos aproximamos graças à publicação de “Cem poemas, cem mil sonhos”, livro que ele organizou e editou e do qual eu participo com os poemas “A mentira” e “A coisa”. A obra é uma homenagem aos 50 anos da Passeata dos Cem Mil, considerada a maior manifestação popular contra a Ditadura Militar no país.

Pois bem, entre os exemplares de “Cem poemas, cem mil sonhos”, que me chegaram semana passada via Correios, estava um exemplar autografado por Starling a mim de “Nós e outros poemas”, 5º livro de poemas que o autor publicou em 2010.

O que se segue são as impressões que o grande livro, com pouco mais de 20 poemas, provocou em mim. Li e reli o opúsculo, mas, mesmo o lendo nos próximos anos, ainda assim não serei capaz de dar conta de toda a riqueza literária que traz consigo e que semeou na poesia brasileira deste início de Terceiro Milênio. Sem dúvida, é uma obra-prima da poesia mineira e, talvez, nacional desses tempos escuros.

Discorramos sobre autor e obra, portanto, ainda que de maneira provisória e sob os efeitos das emoções da última noite.

O livro em questão não apresenta altos e baixos, como costuma acontecer com todo e qualquer poeta. A obra nos brinda com altos porque Rodrigo Starling não é qualquer poeta nem um poeta qualquer. Trata-se de um poeta completo e complexo que, de posse do lirismo, religião, política, filosofia e muita intertextualidade, deixa seus leitores completamente desnorteados. Aqui me refiro aos leitores experimentados, não aos ledores de primeira viagem.

Todos os poemas – uns curtos, outros médios e a maioria extensa – me pegaram de jeito como um cruzado certeiro, mas o destaque vai para os textos “Nós”, “Poema”, “Negro vestido, costas à mostra”, “O Amor”, “Compêndio lírico”, “Cansei”, “Eujaculatórias”, “29”, “Lusantropofagias” e “BH Flâneur”. Mas já assumi o compromisso comigo de apreciar, de per se, cada poema do livro, numa releitura vagarosa e completa.

Mesmo porque, caros internautas, a obra oferece pirâmides poéticas cuja leitura demanda leitores prontos e abertos à recepção estética, como coautores mesmo, num exercício permanente de cumplicidade autor/leitor, à maneira proposta pelo saudoso Umberto Eco.

Porque estamos diante de um poeta inspirado, multifacetado, dado à experimentação linguística e dono de uma riqueza lírica, metafórica e metalinguística notável e desafiadora. Cativante e perturbadora. Enfim, literatura à prova de amenidades.

Obviamente que Rodrigo Starling, a quem costumo chamar de Star, me remete a outro poeta mineiro relevante, Wilmar Silva, cuja exuberância lírica e carpintaria poética admiro desde os tempos da ASBRAPA.

Como artista consciente da importância da tradição e das vanguardas, porém, Star bebeu em muitas fontes, como se nota à primeira leitura de “Nós e outros poemas”. Não lhe escapam os grandes expoentes da poesia nacional e internacional, sobretudo os simbolistas, com os quais dialoga, troca figurinhas e influências, numa antropofagia para lá de nutritiva.

No poema “Lusantropofagias”, por exemplo, o poeta não se faz de rogado e diz com todas as letras: “Só o acordo nos une. Linguisticamente”. Porque, afinal, “nem tudo é deglutível”. Isso mesmo, meninos e meninas, Star é muito mais seletivo que o bom e velho Oswald de Andrade.

A seguir, enumera uma cesta de alimentos que, embora salutares, não estariam saciando a fome estética adequadamente: cantigas de amigo, amor e escárnio (posto que rimadas); as gestas épicas e hagiográficas ou as alianças épico-líricas do cancioneiro português; as poéticas-ventre de Sá de Miranda, Ferreira, Vicente ou Camões; o erotismo de Bocage; nem mesmo o amor eterno de Garret, Leal e Cesário Verde, etc.

Em contrapartida, Star convoca à união todos os antropófagos do mundo: “Uni-vos”. E filosofa sem meias palavras: “Tudo que é sólido… desmancha no mar”.

Em seguida, libera os seguintes víveres para serem devorados à saciedade: Florbela Espanca, Fernando Pessoa e os três heterônimos (Campos, Reis e Caeiro), toda a Geração de Orpheu, Sá de Carneiro, as Clepsidras de Pessanha, Almada Negreiros, Miguel Torga, a lira de Coimbra…

Os poetas franceses modernos, como Baudelaire, e contemporâneos, como Rimbaud, muito mais que figurantes em “Nós e outros poemas”, são habitués ilustres com direito a estada na opus e no locus starlinianos: habitam sua obra e atormentam seu coração.

Em “Consoantes”, Star não só dialoga com Rimbaud como faz dele a razão de ser e estar formais do poema. Já no belo e denso “BH Flâneur”, é possível (não provável) senti-lo passeando de mãos dadas com Baudelaire pelas ruas da capital mineira. Com um pouco de esforço é possível vislumbrar, também, o gauche drummondiano no footing noturno.

Que pobre Starling, que nada! O poeta é admirável e nós, cidadãos do campus, iguais e irmãos, lhe desejamos vida longa e criativa. Com as bênçãos de Nossa Senhora.

Leia entrevista com Rodrigo Starling aqui.

Conheça alguns poemas de Rodrigo Starling aqui.

Sem categoria

PSD publica edital de convocação para convenção municipal, no dia 25

mm

Publicado

em

EDITAL

Nos termos da legislação em vigor, ficam convocados, por este Edital, todos os eleitores filiados ao Partido Social Democrático, neste município, para a Convenção Municipal que será realizada no dia 25 de maio de 2019, com início às 14h55 e encerramento às 18h, na Avenida Alves de Macedo, s/nº, Bairro São João, nesta cidade, com a seguinte

PAUTA DE DELIBERAÇÃO

a) Eleição, por voto direto e secreto, do Diretório Municipal, que será constituído de 8 Membros e de suplentes;

b) Eleição, por voto direto e secreto, de Delegados e respectivos suplentes à Convenção Estadual;

c) Eleição, por voto direto e secreto, dos Membros dos Órgãos Auxiliares.

Na mesma data, serão eleitos a Comissão Executiva Municipal e seus suplentes, em reunião do Diretório Municipal eleito, convocada por este edital para às 16 horas, no mesmo local.

No dia 24, das 08h às 17 h, a Comissão Executiva Municipal estará de plantão na Praça da Liberdade s/n, Centro, para receber o Registro de Chapas.

Itanhém 16 de Maio de 2019 .

Mildson Dias Medeiros

Presidente da Comissão Executiva Municipal

Comissão Municipal Provisória

Continuar leitura...

Sem categoria

Deputados e ex-vice-prefeito que apoiam Mildson Medeiros confirmam presença em convenção do PSD

mm

Publicado

em

Os deputados federal Cacá Leão e estadual Zé Cocá, ambos do Partido Progressista, gravaram vídeo dizendo que vão se fazer presentes na convenção do Partido Social Democrata (PSD), que lanço Mildson Medeiros candidato a prefeito na última eleição municipal.

A convenção acontece na tarde do próximo sábado (25), no Colégio Polivalente, em Itanhém.

“Estaremos com Mildson e toda a nossa turma em Itanhém para uma grande festa”, disse Cacá Leão, que é filho de João Leão, vice-governador da Bahia. “Estaremos juntos para uma Itanhém muito melhor”, completou Zé Cocá.

O ex-vice-prefeito Alex Chaves (PT) também marcou presença e convidou a comunidade em vídeo gravado nas redes sociais.

“[Quero] convidar toda a população de Itanhém para a convenção do PSD, 55, no próximo sábado. Vamos estar juntos, a gente precisa construir um planejamento interessante para o PSD no nosso município, especialmente para a agricultura que está muito necessitada”, afirmou.

Continuar leitura...

Sem categoria

Escola de dança homenageia mães teixeirenses com “Sarau para elas”

mm

Publicado

em

A Escola de Dança Agnaldo Bomfim realizou no último domingo (19), a partir das 17h30, na Praça da Bíblia, o “Sarau para elas”.

O evento, que envolveu música, poesia e dança, foi uma homenagem da escola às mães dos alunos e às mães teixeirenses em geral.

Poeta Almir Zarfeg e o coreógrafo Agnaldo Bomfim.

Parte dos alunos – matriculados em cursos de balé e outros estilos como jazz e dança moderna – se declarou para suas mães recitando poemas, cantando e, claro, dançando. As coreografias foram desenvolvidas especialmente para as mamães cujo dia é comemorado no 2º domingo de maio.

“Por causa dos compromissos de cada família, resolvemos homenagear as mães hoje, mas todos os 365 dias do ano deveriam ser dedicados a elas”, afirmou o diretor e coreógrafo Agnaldo Bomfim, dando as boas-vindas aos presentes.

A partir daí, os olhos da plateia se iluminaram com as coreografias que, sempre acompanhadas de belas canções, fizeram a alegria das mães presentes.

Mas os pais que compareceram também gostaram do que viram, como o poeta e jornalista Almir Zarfeg, que é pai da aluna de jazz adulto, Dani Ferraz. Além de se maravilhar, ele registrou tudo com carinho.

“Fiquei maravilhado com as performances dos alunos e, também, do diretor e coreógrafo Agnaldo Bomfim”, disse Zarfeg à reportagem do portal Água Preta News.

Coreógrafo Agnaldo Bomfim e a aluna Dani Ferraz.

Ao final, Zarfeg posou ao lado de Agnaldo Bomfim e elogiou a apresentação. “Um espetáculo inesquecível em plena praça e ao alcance de todos. Meus parabéns aos envolvidos e que esse tipo de iniciativa se repita mais vezes”, concluiu Zarfeg, que é presidente da Academia Teixeirense de Letras (ATL).

Zarfeg aproveitou a oportunidade para convidar Agnaldo e seus alunos para abrilhantarem uma das sessões solenes da ATL. O coreógrafo topou e agora todos aguardam que a ideia se realize.

Continuar leitura...
Anúncio Patrocinado

EM ALTA